conecte-se conosco


Policial - ES1.com.br

Suspeito de ser um dos principais fabricantes de armas do Estado é preso

Publicado em

A operação foi realizada na manhã desta sexta-feira, 02, pelas equipes da Delegacia Especializada de Tóxicos e Entorpecentes (Deten), da Delegacia de Delitos de Trânsito, do Grupo de Operações Táticas (GOT) da Polícia Civil e da 13ª Companhia Independente da Polícia Militar que cumpriram oito mandados de busca e apreensão na região.

Y. S. S. foi detido dentro de sua oficina localizada no bairro Ulisses Guimarães, em Vila Velha. O responsável pelo caso informou que as investigações foram iniciadas em dezembro do ano passado. “Nós já tínhamos conhecimento de onde ele morava, porém, em razão de um conflito entre duas organizações criminosas da região e pelo fato de o suspeito estar fornecendo armas para as duas, ele começou a ser ameaçado e se mudou do local. Porém, no mês passado, nós, juntamente com a equipe da Polícia Militar, descobrimos o novo endereço da residência dele em Ulisses Guimarães, onde hoje nós cumprimos os mandados de busca e apreensão”, informou.

Durante o cumprimento de mandado de busca e apreensão na serralheria do suspeito, os policiais encontraram farto maquinário para fabricação de armas e munições, além de moldes e outras peças.  “Entre os materiais apreendidos, o que chamou a atenção do perito que esteve no local foi o tipo do maquinário ali encontrado, entre eles uma prensa, exatamente igual ao que é usado na confecção de armas e munições nas empresas autorizadas”, disse o delegado Alberto Roque Peres.

leia também:  PM reforça policiamento em Guarapari durante os Passos de Anchieta

Além de Y.S.S., os policiais também prenderam R.S., de 28 anos, apontado como o gerente do tráfico de drogas do bairro Morada da Barra. “Ele era o responsável por fazer a venda das drogas na região. As investigações apontam que os dois pertenciam à mesma organização criminosa”, afirmou o delegado Alberto Roque Peres.

“Ele é conhecido como ‘serralheiro’ e segundo a perícia o material apreendido na oficina a dele é exatamente igual ao encontrado nas armas caseiras de calibre 380 que os policiais militares vêm apreendendo na região. Nós acreditamos que ele era o braço armado das organizações criminosas da Grande Terra Vermelha”, informou o titular da Deten, delegado Alberto Roque Peres.

Durante a coletiva de imprensa, o chefe de Polícia, delegado Guilherme Daré, exaltou a integração das ações da Polícia Civil e da Militar. “Essa importante prisão de hoje é mais um resultado do trabalho conjunto entre as Polícias. A segurança pública se torna mais forte quando as instituições que a compõem atuam de forma integrada. Quando nós prendemos um suspeito como esse, além de desarticularmos uma organização criminosa, nós salvamos várias vidas, pois ocorre uma queda na fabricação de armas e munições bem como no conserto delas. Por isso, estamos constantemente tentando localizar esses armeiros”, destacou.

leia também:  RPMont concede "Medalha Estrela Guia"

Estiveram presentes também o superintendente de Polícia Especializada, delegado José Darcy Arruda, os delegados titular e adjunto da Deten, delegado Alberto Roque Peres e Diego Bermond, respectivamente, e o responsável pela Delegacia de Armas, Munições e Explosivos, delegado Diego Yamashita.

O superintendente de Polícia Especializada afirmou também que a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Armas, Munições e Explosivos (Dame), já iniciou o mapeamento dos locais ondes essas metralhadoras foram apreendidas. “Vamos fazer um trabalho para descobrir com quem essas armas foram apreendidas e de que forma foi feita a circulação delas aqui na Grande Vitória. Com isso vamos conseguir saber se existe mais algum armeiro ou se ele era o único fornecedor”, informou Arruda.

Assessoria de Comunicação Polícia Civil

Policial - ES1.com.br

Polícia Civil de Jaguaré e Vila Valério prende seis pessoas que causaram prejuízo de mais de um milhão de reais a uma cooperativa

Policiais civis das Delegacias de Polícia de Jaguaré e Vila Valério prenderam seis pessoas suspeitas de integrarem uma organização criminosa especializada em estelionato. As prisões ocorreram entre os dias 06 e 24 de junho deste ano, nos municípios de Jaguaré e Vila Valério, no norte do Estado, e na cidade de Santa Cruz de Cabrália, na Bahia.

As investigações apontam que eles causaram o prejuízo estimado de mais de um milhão de reais na Cooperativa Cooabriel, em Jaguaré. De acordo com a titular das delegacias, delegada Gabriella Zaché, as investigações tiveram início após a prisão em flagrante de três indivíduos no dia 06 de junho, ocasião em que eles, apresentando documentos falsos, tentaram se passar por cooperados para comprar café e assim realizar mais um golpe na cooperativa.

“Como eles tinham ido na semana anterior, a cooperativa achou estranho eles estarem lá novamente vendendo uma quantidade muito grande, sendo o valor depositado na conta de uma pessoa que estava junto deles. Diante da estranheza, a cooperativa acionou a Polícia Civil que foi até lá e percebeu que eles estavam com documentos falsos”, detalhou a delegada.

A partir da prisão desses suspeitos em flagrante, foi identificada a pessoa que falsificava os documentos, que seria funcionário da cooperativa. Ele trabalhava como auxiliar administrativo e repassava as informações de cooperados para que os indivíduos falsificassem esses documentos e fizessem a venda. Um sexto suspeito que tinha o papel de intermediar todas as outras pessoas que faziam parte dessa organização criminosa também foi identificado.

leia também:  RPMont concede "Medalha Estrela Guia"

Após a identificação dos indivíduos, foram expedidos mandados de prisão contra essas pessoas, sendo estes mandados cumpridos todos neste mês de junho.

O suspeito de intermediar as negociações foi preso no dia 14, em Vila Valério; o indivíduo que falsificava esses os documentos foi preso no dia 15, em Santa Cruz de Cabrália, na Bahia; já o funcionário da cooperativa foi preso no dia 24, também em Vila Valério.

Antes de serem presos, os integrantes do grupo praticaram esse golpe cinco vezes na coorporativa, entre os meses de maio e junho deste ano, ocasionando um prejuízo de mais de um milhão e duzentos mil reais.

“A cooperativa funciona da seguinte forma: eles guardam café no local e quem tem o café armazenado lá pode ir à coorporativa, de tempos em tempos, armazenar e vender os grãos. Então, essa associação criminosa falsificava os documentos, se passando por cooperados e, assim, faziam a compra do café, recebendo o pagamento em conta bancária. A partir do momento que tinham em mãos esse dinheiro eles dividiam o valor entre os integrantes da associação criminosa”, informou a delegada Gabriella Zaché.

leia também:  Polícia Militar prende gerente do tráfico de drogas do bairro Ilha do Príncipe

A delegada destacou ainda que o funcionário da cooperativa trabalhava em Vila Valério e eles realizaram o golpe em Jaguaré, como forma de ninguém desconfiar. Os criminosos usavam os dados de cooperados que estavam há muito tempo sem movimentar os cafés, para não gerar suspeita.

As investigações mostraram ainda que havia integrantes desta organização criminosa que estavam envolvidos em outros crimes no norte do Estado.

“Dois deles têm várias ocorrências informando que eles estavam vendendo colchões magnéticos e não entregavam. Várias pessoas caíram nesse golpe”, destacou a delegada.

Durante a operação foram apreendidos dois carros, dois celulares e os documentos falsos utilizados por eles. A delegada-geral adjunta, Denise Maria Carvalho, destacou o trabalho realizado pela delegacia de Jaguaré no combate a crimes na região.

“Nos últimos meses a delegacia de Jaguaré tem sido muito atuante no combate de crimes contra o patrimônio e crimes contra a vida. Isso resultou na diminuição dos nossos indicadores de violência na região, inclusive, com a diminuição do índice de homicídio em 50%”, disse.

Texto: Victória Meireles, estagiária da Seção de Imprensa e Comunicação Interna (Sicoi). 

 

Assessoria de Comunicação Polícia Civil
Comunicação Interna – (27) 3137-9024
[email protected]
 

Informações à Imprensa:

Matheus Zardini / Olga Samara  

(27) 3636-1574 / (27) 99297-8693 / (27) 3636-1536 / (27) 99846-1111

Fonte: Polícia Civil ES

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

novo cartaz apae2