conecte-se conosco


Política Nacional

Sancionada lei que aumentou o salário mínimo para R$ 1.045

Publicado em


.

O presidente Jair Bolsonaro sancionou na quarta-feira (10) a Lei 14.013 de 2020, que fixou o valor do salário mínimo a partir de fevereiro deste ano em R$ 1.045. A norma, que está publicada na edição desta sexta-feira (12) do Diário Oficial da União, tem origem na Medida Provisória (MP 919/2020).

Aprovada pelo Senado na forma do Projeto de Lei de Conversão (PLV) 13/2020, a MP corrigiu o valor do salário mínimo para 2020, antes definido pelo governo em R$ 1.039.

Esse valor vigorou apenas em janeiro e acabou sendo reajustado pela MP 919 para R$ 1.045 a partir de fevereiro. A pressão inflacionária fez com que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) registrasse uma inflação de 4,48% em 2019, em vez de 4,1%, como era o estimado pelo governo, conforme apontou o relator da medida no Senado, Paulo Paim (PT-RS).

O valor diário do salário mínimo fica fixado em R$ 34,63, e de R$ 4,75 por hora. De acordo com nota informativa do governo, estima-se que para cada aumento de R$ 1 no salário mínimo, o impacto nos gastos públicos eleva-se em aproximadamente R$ 355,5 milhões. Já o impacto líquido, ou seja, considerando o ganho na Receita Previdenciária, é de R$ 319,1 milhões. As despesas impactadas pelo mínimo levam em consideração o abono salarial e seguro desemprego, benefícios previdenciários (como aposentadorias e pensões) e benefícios assistenciais (como o Benefício da Prestação Continuada – BPC). Sendo assim, o impacto orçamentário do salário mínimo em R$ 1.045, de fevereiro a dezembro, girará em torno de R$ 2,73 bilhões.

leia também:  Relatório da receita para Orçamento de 2021 deve estar pronto até quinta

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Política Nacional

Ex-secretário diz que aviso a Ministério da Saúde sobre falta de oxigênio em Manaus foi em 7 de janeiro


Ao vice-presidente da CPI da Pandemia, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) o ex-secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo, afirmou que o aviso ao Ministério da Saúde sobre falta de oxigênio em Manaus ocorreu entre o dia 7 e o dia 8 de janeiro

leia também:  Estudo analisa efeitos da pandemia no agronegócio brasileiro
Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!

INFORMATIVO

Chat aberto
1
Precisa de nossa ajuda ?
Olá, nós do ES1 podemos te ajudar de alguma forma