conecte-se conosco


Geral - ES1.com.br

Risco de chuvas intensas e raios neste final de semana

Publicado em

O tempo abafado e a passagem de uma frente fria na região Sudeste provocam instabilidade no Estado. Alertas indicam o risco de voltar a ocorrer chuvas fortes, tempestade de raios, vendaval e alto acumulado de chuva nos próximos dias.
O Climatempo destaca que a grande disponibilidade de ar quente e úmido e a circulação de ventos, junto à passagem da frente fria, forçam a concentração de umidade, o que pode gerar grandes e fortes áreas de instabilidade sobre a região Sudeste.
O serviço de alerta da Defesa Civil também emitiu alertas para o Estado. As mensagens avisam do risco de chuvas intensas em todo o Espírito Santo e ainda de deslizamentos.
O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) aponta risco de chuva localmente forte em todo o Espírito Santo, em um curto intervalo de tempo, favorecendo, assim, a ocorrência de enxurrada e deslizamentos. De acordo com o Cemaden, há risco médio de ocorrer esses eventos geo-hidrológicos no leste do Estado, onde pode ser registrado maior acumulado de chuva.
De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), há perigo potencial de ocorrerem chuvas intensas até as 8h de sexta-feira, 09, podendo ter entre 20 e 30 mm/h de chuva, ou até 50 mm/dia, além de ventos intensos (entre 40 a 60 km/h), em todo o Estado, como exceção de Norte e Nordeste capixaba. O Instituto destaca que há baixo risco de ocorrer queda de galhos de árvores, alagamentos e raios.
Dois avisos de atenção do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam o risco do Estado ter chuvas intensas, tempestades de raios, vendaval e alto acumulado de chuvas. De acordo com o Inpe, ocorrerão pancadas de chuva, que localmente serão de forte intensidade, acompanhada de descargas elétricas, rajadas de ventos e pontuais acumulados expressivos de precipitação.
Segundo o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), nesta sexta, trechos do Estado acima do Rio Doce têm pancadas de chuva com trovoadas a partir da tarde, enquanto as demais áreas têm chuva em momentos do dia podendo ocorrer em forma de pancadas com trovoadas entre a tarde e a noite.
No sábado, 10, o sol aparece entre nuvens em todo o Espírito Santo, com chuva ocasional em alguns momentos do dia. Há ainda previsão de pancadas acompanhadas de trovoadas, a partir da tarde, em todas as regiões. O vento sopra com intensidade moderada no litoral sul, com rajadas entre o litoral norte e litoral da Grande Vitória.
O sol volta a aparecer no domingo, 11, em alguns momentos, mas ainda ocorrem pancadas de chuva a partir da tarde no extremo sul do Estado. Na Grande vitória, região Serrana, Noroeste, Nordeste e extremo Norte, o domingo começa com muitas nuvens e chuva rápida na madrugada e manhã. A partir da tarde, ocorrem pancadas de chuva.

leia também:  Plano Municipal de Saneamento Básico é apresentado na Câmara de Barra de São Francisco

Tribuna Online

Geral - ES1.com.br

Bacia do Rio Santa Maria recebe mais de R$35 milhões para restauração florestal

Investimento contempla mais de mil hectares em três municípios do Espírito Santo, outros R$135 milhões foram destinados a Baixo Guandu

A bacia do rio Santa Maria do Doce receberá mais de R$35 milhões para ações de restauração florestal em cerca de mil hectares nos municípios capixabas de Colatina, São Roque do Canaã e Santa Teresa. O investimento previsto, via editais, é destinado à contratação de serviços técnicos, científicos e operacionais.

O diretor-presidente da Fundação Renova, Andre de Freitas, assinou no dia 2 de junho, em Colatina, o Termo de Compromisso que garante o repasse dos recursos. O evento contou com representantes dos Comitês das Bacias Hidrográficas do Rio Santa Maria do Doce e do Rio Doce e do poder público estadual e municipal.

Total de investimentos

Ao todo, a Fundação Renova vai investir, por meio de editais, cerca de R$540 milhões para promover a restauração florestal de, aproximadamente, 16 mil hectares.

Segundo Andre de Freitas, cerca de R$106 milhões serão destinados à recuperação de 420 nascentes e 2,8 mil hectares que, além da bacia do rio Santa Maria do Doce (ES), incluem as bacias do rio Piranga (MG) e Corrente Grande (MG). “Em maio, firmamos o investimento de R$135 milhões na restauração florestal em 5 mil hectares da bacia do rio Guandu, no Espírito Santo. Agora, anunciamos esse repasse que beneficiará diretamente mais três municípios capixabas”, afirma.

leia também:  Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 44 milhões

Esses valores fazem parte do montante de R$1,7 bilhão, que será empregado no cumprimento de parte da meta socioambiental de recuperar 40 mil hectares de Áreas de Preservação Permanente (APPs) e de Recarga Hídrica (ARH), e de 5 mil nascentes ao longo de dez anos.

Editais

A Fundação Renova mantém contratos com 12 parceiros para restauração florestal de 15.500 hectares. Ao oferecer serviços técnicos, científicos e operacionais, as empresas ou consórcios contratados se tornam responsáveis pela execução das ações estabelecidas pelo Programa de Recuperação de APPs e Áreas de Recarga da Bacia Hidrográfica do Rio Doce e Programa de Recuperação de Nascentes.

Produtores rurais

Além dos editais de contratação de fornecedores, a Fundação Renova mantém um edital permanente para produtores e proprietários rurais de 66 municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo. O Edital de Adesão de Produtores Rurais aos Programas de Restauração Florestal é voltado para quem deseja colaborar com o processo de restauração florestal em APPs, ARHs e nascentes em suas propriedades. Até maio mais de 1.600 inscrições haviam sido feitas, totalizando uma área de aproximadamente 23 mil hectares autodeclarados.

leia também:  Preço e tempo de espera para remédios à base de maconha devem diminuir

Segundo o coordenador de Restauração Florestal, José Almir Jacomelli, a Fundação Renova fornece os insumos necessários para o cercamento das áreas com projetos de restauração florestal, manutenção, assistência técnica operacional e apoio na inscrição da propriedade no Cadastro Ambiental Rural (CAR). “O produtor rural fica responsável por manter a área protegida, podendo executar o cercamento e mantê-lo por um prazo de cinco anos, bem como optar ou não pela execução das práticas de restauração florestal”, destaca.

Fonte: Fundação Renova

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

novo cartaz apae2