conecte-se conosco


Saúde - ES1.com.br

Quer fazer seu treino ser mais eficiente e um sucesso?

Publicado em

camera_enhance Bruna Mendonça de Miranda é Profissional de Educação Física desde 2011, Pós-graduada em Musculação e Treinamento Personalizado, Pós-graduanda em Bases Fisiológicas do Treinamento Personalizado, Nutrição Esportiva e Medicina Avançada e proprietária do Studio Planet Fitness em Vila Valério. (Crédito: divulgação)

Em pleno verão, os cuidados com a boa forma ganham destaque. Mas os exercícios físicos têm benefícios que vão além do corpo perfeito: saúde, bem-estar, qualidade de vida!
Manter uma rotina saudável nem sempre é fácil, são muitos os fatores que influenciam negativamente como tempo, disposição, etc. 
Se você quer, mais não sabe o que fazer para ter um treino com eficiência e ainda para que não desista no meio do caminho, aí vão algumas dicas da personal trainner Bruna Mendonça de Miranda para ele ser um sucesso.

1 – Descubra qual exercício você mais se identifica

Não escolha uma atividade física porque seu vizinho(a), seu amigo(a) escolheu. Procure se identificar com seu exercício, faça porque gosta, assim você não irá desistir, consequentemente seu objetivo ficará mais fácil de ser atingido.

2 – Comece pelo básico

Sabemos que a ansiedade é o mal do século, queremos resultados imediatos, mas não vá com “muita sede ao pote”, estudos mostram que quanto mais rápido são os resultados, mais rápido é a desistência, fazendo com que não consigamos manter o que foi adquirido.
Todas as modalidades têm uma progressão a ser seguida, respeite essa evolução que terá menos riscos à saúde e consequentemente resultados mais duradouros.

leia também:  Alergia nos olhos agrava o ceratocone que é a causa de 70% dos transplantes de córnea

3 – Coloque na agenda seu exercício como um compromisso

Por qualquer desculpa você já desanima do treino? Qualquer motivo já é uma justificativa para faltar ao treino? Espere um momento, você tira tempo para tudo, menos para cuidar de você?
Coloque na agenda como um compromisso, marque hora, e vai. Irão surgir diversos obstáculos, é assim mesmo, mas, sua força de vontade vai ser maior. Como sempre no início tudo é mais complicado de ser organizado, mais perceberá que depois, tudo irá correr devidamente no tempo certo.

4 – Estabeleça sempre metas

Gosto muito de metas, são através delas que vemos o quanto somos capazes de realizar coisas que antes achávamos impossível.
Tenha meta semanal, e tenha o luxo de comemorar no último dia se conseguiu atingir. Tenha meta mensal e meta anual, todas escritas, leia e releia, não coloque grandes metas no início, comece com umas pequenas, tal como não faltar os treinos, e vai aumentando a dificuldade com o passar do tempo. Tenha os objetivos a serem alcançados nítidos na sua mente, e no papel.

5 – Registre sua EVOLUÇÃO

Tome nota de toda evolução que tiver, mesmo que ache pouco ou pequena, escreva se sua carga aumentou, se sua coordenação melhorou, se se sente mais disposta(o), mais feliz. Essas notas serão essenciais para você perceber suas melhorias, tire foto de antes de começar os treinos, poste nas redes sociais suas evoluções, você pode se tornar inspiração para alguém.

leia também:  Vila Valério tem 85 casos de COVID-19 ativos e 90 pessoas estão curadas - 11/07

6 – Divirta-se

Por muitas vezes os treinos se tornam repetitivos e cansativos, não deixe cair na rotina, procure sempre um desafio novo, uma aula diferente. Diversão também é super importante para você se manter fiel ao treino.

7 – Ambiente é tudo

 

O local onde escolhe treinar é definitivo para sua evolução e para te tornar fiel aos exercícios e a você mesmo.
Procure um local onde se sinta à vontade, que fique relaxada, sem medo de ter constrangimentos, aliás errar é humano, e isso fará parte dos treinos. Só assim conseguirá se divertir.

8 – Cuidados básicos com seu treino

Separe sua roupa na noite anterior, para não ter desculpas ao acordar, ou, ao longo do dia. Sempre leve toalha e sua garrafinha de água, irá agilizar muitos seus treinos. Tenha um relógio, para marcar os segundos de descanso, assim será mais ágil e mais eficiente. Alimente-se, procure ter uma boa alimentação, sem restrição severa, se possível procure auxílio de um(a) profissional. Descanse, procure tirar um dia de folga para recuperar as energias, mais descanse de verdade! Deixe seu celular no silencioso, se possível deixe longe de você, para que nada desvie sua atenção.


Um bom treino depende de você! O caminho não é sempre fácil, mais uma vez trilhado certo, o sucesso é garantido!

 

 

 

Saúde - ES1.com.br

Estudo alerta para urgência de novos tratamentos contra verminoses

As verminoses, doenças que afetam bilhões de pessoas no mundo, tem poucos avanços em estudos clínicos. Entre os motivos para que isso ocorra, está o fato de que elas atingem populações mais pobres, não atraindo investimentos de farmacêuticas. O alerta está em um estudo publicado na revista Drug Discovery Today por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Guarulhos e que tem apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

O trabalho se insere em um contexto no qual a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou, em 2021, um plano de ação para erradicar ou controlar, até 2030, 20 doenças que afetam uma em cada cinco pessoas no mundo e matam cerca de 500 mil por ano. Das 20 doenças, as cinco que mais afetam mais pessoas em números absolutos são verminoses. Uma das estratégias adotadas na busca por novos medicamentos é o reposicionamento farmacológico, estudando medicações já existentes para essas enfermidades negligenciadas.

“Entre as múltiplas metas que foram colocadas no roteiro da OMS, está a busca por novos medicamentos, porque muitas dessas doenças não dispõem de vacina e medicamento considerado de alta eficácia. Embora tenha uma eficácia relativamente boa, mas não o suficiente para controlar a doença, até porque não existe um fármaco 100% eficaz”, afirma Josué de Moraes, que coordena o Núcleo de Pesquisa em Doenças Negligenciadas (NPDN) da Universidade Guarulhos, um dos autores do artigo.

leia também:  Alergia nos olhos agrava o ceratocone que é a causa de 70% dos transplantes de córnea

Esquitossomose

Moraes cita, como exemplo, o caso da esquistossomose, que é considerada a principal verminose em termos de morbidade e mortalidade. “Embora a ascaridiose, que é a lombriga, afete uma parcela maior, quase um bilhão de pessoas, a esquistossomose tem mais impacto na saúde”, explica. Há apenas um remédio disponível para a doença, o praziquantel. “Imagina só você ter um medicamento para uma população acima de 200 milhões”, compara. Além disso, o medicamento também não afeta a forma jovem do parasita, impedindo que o tratamento comece no início da infecção.

O pesquisador destaca, entre os impactos da verminoses, o fato de que elas prejudicam o desenvolvimento intelectual de crianças, contribui para a redução na taxa de escolarização e também pode fazer com que a pessoa se afaste do trabalho com licença médica. “Sempre falo que essas doenças não só prevalecem condições de pobreza, mas também representam um forte entrave ao desenvolvimento dos países e, consequentemente, são determinantes na manutenção do quadro de desigualdade”, avalia.

Entre os motivos que impedem o desenvolvimento de estudos no campo da parasitologia, Moraes cita quatro. “As verminoses são as mais negligenciadas dentre as negligenciadas, principalmente porque é um tipo de doença que está mais associado com a questão da pobreza que as outras”, pontua, como primeiro entrave. Ele aponta ainda o fato de que a doença não enseja um senso de urgência. “Não demonstram, visivelmente, ali para para a população uma necessidade.” Ele lembra que em algumas regiões as verminoses são até vistas como algo comum, do cotidiano.

leia também:  Brasil registra 68.893 novos casos de covid-19 em 24 horas

Outra dificuldade se dá nos laboratórios. “Os vermes são de difícil manutenção. É muito mais difícil você conseguir manter um verme em laboratório, ao contrário de algumas doenças causadas por protozoários como, por exemplo, malária, leishmaniose, doença de Chagas, entre outras”, exemplifica. Isso acaba prejudicando o conhecimento biológico dos vermes. “Quando disponível, você precisa ter o hospedeiro definitivo, geralmente a gente usa um roedor e um hospedeiro intermediário, no caso da esquistossomose, um caramujo.” Moraes destaca ainda o nojo que os vermes despertam nos indivíduos.

O pesquisador é enfático ao lembrar que outras medidas de saúde pública, como diagnóstico, controle dos vetores de transmissão e saneamento básico universal, são fundamentais para lidar com essas doenças. “Nós temos cerca de 30 milhões de brasileiros que vivem sem água tratada. Praticamente metade da população não tem acesso a esgoto. Então isso reforça esse quadro, que eu diria lamentável, em relação às verminoses”, avalia.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Saúde

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!