conecte-se conosco


#SeuDireito - ES1.com.br

Procon-ES orienta sobre compra de ovos de Páscoa e pescados para Semana Santa

Publicado em

A Semana Santa no Estado é marcada pelo consumo da tradicional torta capixaba, de peixes e chocolates. A variedade de guloseimas temáticas atrai adultos e crianças. Mas, para economizar, é preciso evitar gastos desnecessários e pesquisar, já que os produtos típicos apresentam grande variação de preços de uma loja para a outra.

Os produtos estão mais caros devido à alta do dólar, do frete e dos insumos. Tudo isso influencia o preço final do produto. Para economizar, planeje a sua compra, pesquise os preços dos itens que pretende adquirir em diferentes supermercados e feiras livres e opte por substituir produtos tradicionais ou importados da época por marcas nacionais e produtores locais.

Segundo o diretor-presidente do Instituto Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-ES), Rogério Athayde, a crise econômica está impactando as compras deste ano.

“No momento atual, de alta na taxa de inflação, quem quer economizar deve considerar a possibilidade de substituição de ovos por outra versão do chocolate, como barras ou caixas de bombom, que são consideravelmente mais baratos, quando comparados os pesos. A tradicional torta capixaba também pode ficar mais ‘salgada’, caso o consumidor opte pela compra de itens importados, o bacalhau, o azeite e a azeitona podem pesar no bolso”, ressaltou Athayde.

Dicas de compra de ovos de Páscoa

Pesquise o preço dos produtos em diferentes supermercados e encartes promocionais. Fique atento se o preço publicado no anúncio corresponde ao praticado no estabelecimento. De acordo com o Código de Proteção e Defesa do Consumidor, o fornecedor não pode recusar o cumprimento à oferta.

No ato da compra é preciso verificar a data de validade dos produtos, se a embalagem está em bom estado de conservação, indicação de faixa etária, os ingredientes, para evitar o risco de alergias, e a informação nutricional. Também é importante levar em consideração o peso do ovo de chocolate e não só a numeração, já que a relação peso/número varia de acordo com o fabricante.

leia também:  Procon-ES e Sindipostos dialogam sobre precificação e outros direitos do consumidor

“Muitos consumidores desconhecem que o peso de todos os produtos deve corresponder à parte que será consumida. Isso significa que o total em gramas declarado na embalagem dos ovos de Páscoa deve corresponder ao peso do chocolate, excluindo qualquer embalagem ou brinde”, explicou Rogério Athayde.

No caixa, fique atento ao preço que está sendo cobrado pelo produto. Se for constatada divergência entre o valor cobrado e o anunciado nas gôndolas e encartes, o consumidor tem direito a pagar o menor preço pelo produto.

O diretor-presidente do Procon-ES ressaltou ainda a importância de trabalhar desde cedo a educação financeira com as crianças. “O consumidor paga caro pelo brinde que acompanha o ovo de Páscoa infantil. Há ainda opções no mercado que nem sequer um chocolate acompanha o brinquedo. É importante desde cedo criar essa consciência nas crianças”, frisou Athayde.

Após a data comemorativa, é preciso cautela nas compras de produtos em promoção. Após a Páscoa, alguns comerciantes colocam ovos de chocolate em promoção. Assim, o consumidor deve observar o estado do produto, já que não há a obrigatoriedade de troca nas compras realizadas em lojas físicas.

Atenção aos pescados e alimentos in natura

Produtos importados, como o bacalhau, o azeite e a azeitona estão mais caros devido à alta do dólar. Para economizar, o ideal é substituir o tradicional peixe da torta por outro tipo de pescado e, ainda, buscar ingredientes alternativos e que estejam mais baratos.

Já na compra do palmito e de outros produtos in natura, é importante saber a procedência dos alimentos e observar se os produtos estão protegidos de insetos e bem armazenados.

leia também:  É permitido lojas cobrarem valores diferentes nas compras pagas com cartão ou dinheiro? – artigo escrito por Oséias Correia da Silwa Júnior | #ProconSGP

Na compra de peixes, o consumidor deve ficar atento se a carne está firme, se os olhos estão salientes e brilhantes, se as guelras estão avermelhadas e se as escamas não soltam com facilidade. Quanto ao peixe em postas, o ideal é que elas sejam cortadas na hora da compra, mas se já estiverem cortadas, é importante observar a textura da carne. No supermercado, o pescado deve estar exposto em balcão frigorífico e, na feira, envolto em gelo picado, sempre protegido do sol e de insetos. Além disso, o vendedor deve usar luvas descartáveis e avental.

Ao comprar lulas e polvos, a orientação é que o consumidor adquira os de cores mais claras, que estão mais frescos. Já para mexilhões, mariscos e ostras, o ideal é comprar in natura e observar se as conchas estão bem fechadas. Moluscos com conchas abertas não estão próprios para o consumo. No caso do camarão, devem também ser firmes e com a carapaça presa ao corpo e o odor deve ser característico do produto, sem ser forte demais.

Para produtos vendidos a granel, é necessário verificar o peso, a quantidade e a aparência do alimento e não comprar se houver suspeitas sobre a qualidade, como com sujeira e mofo.

Denúncias e reclamações

Os consumidores podem registrar suas denúncias e reclamações pelo e-mail [email protected] Importante enviar os dados pessoais completos como nome, endereço, telefone, CPF e Carteira de Identidade e fotos que comprovem a denúncia ou a relação de consumo, como nota fiscal, anúncios publicitários, dentre outros. As dúvidas podem ser solucionadas pelo WhatsApp (27) 3323-6237.

Informações à imprensa:
Assessoria de Comunicação do Procon Estadual
Amanda Ribeiro
(27) 9 9975-2490
[email protected]

Fonte: Governo ES

#SeuDireito - ES1.com.br

Dia das Mães: Procon-ES orienta sobre compras e trocas de presentes

O Dia das Mães será comemorado neste domingo (08) e a chegada da data movimenta o comércio. Para quem ainda pretende comprar um presente, o Instituto Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-ES) recomenda cautela para que as compras de última hora não sejam feitas por impulso.

O diretor-presidente do Procon-ES, Rogério Athayde, explicou que, antes da escolha do presente, o consumidor precisa avaliar a sua situação financeira e não se deixar atrair por promoções, pois nem sempre a oferta anunciada representa de fato uma redução no preço do produto.

Pesquisar os preços em diferentes lojas é fundamental para quem quer economizar. É recomendado negociar valores, formas de pagamento e pedir descontos para pagamento à vista. O consumidor tem que ter em mente que o presente ideal é aquele que agrada e que não vai desequilibrar o seu orçamento”, ponderou Athayde.

Compras

– Na hora da compra, pesquise em vários locais os preços dos produtos e dos serviços que pretende adquirir e considere sempre a possibilidade de pagar à vista ou em pequenas parcelas sem juros;

– Fique atento aos produtos em exposição. Todos os itens devem apresentar seus preços de forma clara. Os produtos expostos na vitrine e no interior da loja devem exibir o preço à vista, a prazo e a taxa de juros aplicada;

– O lojista deve exibir, em local de fácil acesso, as formas de pagamento aceitas pelo estabelecimento;

– Aceitar cheques é uma liberalidade dos estabelecimentos. Porém, a partir do momento em que o cheque é recebido, o lojista não pode fazer restrições, como não aceitar cheques de contas recentes. Vale lembrar que as lojas não são obrigadas a receber cheques de terceiros, de outras cidades ou administrativos;

– Caso o presente escolhido seja um eletrônico ou eletrodoméstico, o consumidor deve testar sempre que possível o funcionamento do produto na loja. Quando o produto for entregue em casa, deve somente atestar o recebimento após conferir o perfeito estado do mesmo;

leia também:  Procon-ES e Sindipostos dialogam sobre precificação e outros direitos do consumidor

– Na compra de produtos em promoção, o consumidor também tem seus direitos garantidos. É comum que cartazes nas lojas informem que produtos comprados na promoção não podem ser trocados, mas se o produto apresentar defeitos, o consumidor tem direito a reparação ou a restituição do valor pago. Todo produto ou serviço tem garantia legal, segundo o Código de Proteção e Defesa do Consumidor (CDC);

– O Código de Proteção e Defesa do Consumidor determina que toda a oferta de produtos seja cumprida pelo fornecedor que a veiculou. Portanto, se alguma empresa negar o que prometeu, é possível reclamar, desde que munido do material publicitário;

– Os produtos devem ser entregues e montados, se necessário, no dia e hora pré-estabelecidos no ato da compra;

– Não pode ser exigido um valor mínimo para a utilização do cartão de crédito. Entretanto, o lojista poderá determinar valores mínimos para parcelamento;

– Independente do presente escolhido, a nota fiscal deve ser exigida, pois ela é essencial para a troca, garantia e eventual reclamação.

Trocas

Antes de concluir a compra, o consumidor deverá se informar se a loja aceita trocas e verificar as condições para realizá-la. Essa informação é muito importante, pois as lojas físicas não são obrigadas a trocar produtos sem defeito simplesmente porque não agradou ou o tamanho não serviu.

Muitos consumidores acham que podem realizar a troca de produtos em perfeito estado, no prazo de sete dias, mas isso só é possível para as compras realizadas fora do estabelecimento comercial, como internet. As trocas de produtos não defeituosos adquiridos em lojas físicas são uma liberalidade do estabelecimento e não uma obrigação”, detalhou Athayde.

leia também:  Dia das Mães: Procon-ES orienta sobre compras e trocas de presentes

O diretor do Procon-ES acrescentou ainda que, se a loja aceita trocas, não poderá estabelecer restrições quanto aos dias e horários para a realização do procedimento, segundo a Lei Estadual nº 10.689/2017. Sendo assim, informações do tipo ‘não trocamos aos sábados’, são proibidas”, disse.

Athayde também lembrou que, se o produto apresentar algum problema, é obrigação do lojista ou do fabricante sanar o defeito em até 30 dias. “Todo produto tem garantia legal, segundo o CDC. Leve o produto até a loja ou para a assistência técnica autorizada para reparo e guarde a ordem de serviço”, acrescentou.

Além disso, antes de ir ao caixa, é importante verificar se o produto não tem algum defeito aparente e realizar testes de funcionamento.

Reclamação

Os consumidores podem registrar suas reclamações pessoalmente na sede do Procon-ES, localizada na Avenida Jerônimo Monteiro, nº 935, Centro, Vitória, de segunda a sexta-feira, mediante retirada de senhas às 9 horas, para o atendimento da manhã, e, às 13 horas, para o atendimento da tarde. Outra unidade do Procon-ES está localizada na Unidade Faça Fácil, em Cariacica, que atende de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e, aos sábados, até as 13 horas. O agendamento para o Faça Fácil deve ser feito pelo site facafacil.es.gov.br.

A população também pode registrar reclamações, sem sair de casa, pelo e-mail [email protected]. Dúvidas podem ser solucionadas pelo WhatsApp (27) 3323-6237.

É preciso que o consumidor tenha disponível o RG (Carteira de Identidade), CPF, nota fiscal e outros documentos que possam comprovar a reclamação.

Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação do Procon Estadual
Amanda Ribeiro
(27) 3132-1840
[email protected]

Fonte: Governo ES

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!