conecte-se conosco


Policial - ES1.com.br

Ministros do STF são protegidos por 85 seguranças privados

Publicado em

O Supremo Tribunal Federal (STF) mantém 85 seguranças privados para dez ministros. O serviço custa R$ 831 mil por mês. Esses profissionais são responsáveis apenas pela proteção pessoal dos ministros, e não das dependências do STF. O contrato atual foi iniciado em novembro de 2017 e tem vigência de dois anos e meio, podendo ser prorrogado pelo mesmo período. A previsão é gastar cerca de R$ 25 milhões neste período. A empresa responsável é a Esparta Segurança. Os dados estão disponíveis no site do STF.
Na terça-feira, o ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato na corte, revelou que sua família sofreu ameaças. Cármen Lúcia determinou o aumento da segurança dele, e o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, colocou a Polícia Federal à sua disposição.
A Secretaria de Comunicação do Supremo Tribunal Federal (STF) informou que apenas Fachin, até o momento, pediu reforço na segurança. A Corte informa que a presidente enviou ofício a todos os ministros indagando sobre a necesssidade de alteração e aumento do número de agentes de segurança. Segundo a assessoria do Supremo, não há informação de que outro ministro tenha pedido reforço na segurança. O órgão, no entanto, não soube dizer se os ofícios foram respondidos pelos ministros, mas destacou que todos serão atendidos caso manifestem a necessidade.
O Supremo não comentou as declarações de Fachin de que “nem todos os instrumentos foram agilizados” na entrevista que deu à GloboNews. O ministro, por sua vez, também não explicou sobre quais medidas se referia. Ontem, a presidente Cármen Lúcia informou que já havia autorizado o reforço da segurança de Fachin e familiares antes mesmo de a notícia sobre ameaças vir a público.
Em janeiro, durante o recesso judiciário, Fachin esteve em Curitiba, onde mora sua família. No dia 31, ele voltou para Brasília, em um voo pago pelo Supremo, dentro da cota a qual os ministros têm direito. No mesmo voo, estavam dois seguranças do quadro de servidores do próprio STF.
Nos seis meses anteriores, não foram encontrados registros semelhantes. Os dados de fevereiro ainda não estão disponíveis no site do tribunal. Fachin não especificou quando as ameaças começaram.
No caso dos seguranças privados contratados a maioria trabalha em um regime de 12h, descansando depois 36h. Os turnos são divididos das 7h às 19h (38 pessoas se revezam nesse horário) e das 19h às 7h (horário onde se dividem 44 pessoas). Duas pessoas cuidam da supervisão, e um segurança trabalha em uma regime de 44 horas semanais. Os seguranças andam com pistolas calibre .380, além de outros equipamentos como colete e lanterna.
Já a segurança do prédio do Supremo é feita por 149 vigilantes, sendo 47 delas armados e e 98 desarmados, além de quatro supervisores. O contrato, com a Zepim Segurança e Vigilância, foi firmado em março de 2017, e teria inicialmente duração de um ano, mas em novembro foi realizado um aditivo, que estabeleceu uma prorrogação de um ano e meio. O valor previsto para esses dois anos e meio é R$ 28,5 milhões (R$ 953 mil mensais).

leia também:  Oficiais intermediários da DRH participam de atualização profissional para utilização dos novos armamentos da PMES.

Seguranças também acompanharam outros ministros

Em dezembro, o ministro Luís Roberto Barroso embarcou do Rio para Brasília no mesmo voo que um segurança do STF. Esse servidor fez outras sete viagens naquele mês com o objetivo de “prestação de serviço de segurança e assistência direta a ministro”. De novembro para trás, os registros do Supremo não informam os horários dos voos de magistrados e seguranças, impossibilitando verificar se estiveram a bordo na mesma aeronave.
Em outubro, dois servidores viajaram até São Paulo para “prestação de medidas técnicas de contravigilância em residência de ministro”. O ministro Ricardo Lewandowski também foi para a capital no mesmo dia, num voo da mesma companhia, mas não é possível saber se no mesmo horário. Além de Lewandowski, são oriundos de São Paulo os ministros Alexandre de Moraes, Dias Toffoli e Celso de Mello.
Também em outubro, um outro servidor viajou nove dias no total para “prestação de serviço de segurança e assistência direta a ministro”. Houve também dois profissionais designados da Seção de Segurança Pessoal de Dignitários para seis viagens. São Paulo e Rio de janeiro foram os destinos mais comuns, mas também houve idas a Curitiba, onde mora a família do ministro Edson Fachin.

leia também:  Polícia Militar recupera veículos com restrição de furto/roubo em São Gabriel, Vila Valério e Nova Venécia

O Globo

Policial - ES1.com.br

Policiais da Core prendem homem que se passava por policial civil em Vila Velha

Um homem de 31 anos foi preso por policiais civis da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core), durante uma operação policial no bairro Novo México, em Vila Velha. Ele é suspeito de se passar por um policial civil da unidade.

A equipe policial recebeu uma denúncia, que informava de um indivíduo se passava por um policial civil da unidade. “Após levantamentos, foram identificadas imagens do suspeito, em que o mesmo fazia uso de colete e distintivos da polícia, e dizia estar “indo trabalhar”, além de outras fotos em que ele aparece com uma pistola na cintura. O retrato foi usado no perfil dele no WhatsApp, portando uma pistola, distintivo da PCES e uma caneca com o símbolo da Polícia Civil”, disse o coordenador da Core, delegado Ricardo Almeida.

De acordo com o delegado, a equipe levantou as informações de que o suspeito trabalhava como chefe de segurança em uma empresa em Vila Velha e se apresentava como policial civil, sempre portando uma arma de fogo e se deslocando em uma moto ou carro.

leia também:  VÍDEOS | Veja o exato momento em que a Força Tática aborda e prende três homens acusados de tentativa de homicídio em São Gabriel

“A equipe policial realizou uma campana com viatura descaracterizada próximo ao local de trabalho do suspeito, em Novo México, Vila Velha. Ao avistar uma motocicleta com um indivíduo com as características do homem que estávamos à procura, fizemos a abordagem do mesmo”, explicou Ricardo Almeida. 

Segundo o responsável pela investigação, o suspeito, ao ser questionado se portava arma de fogo, disse que sim e em ato continuo, ao ser perguntado sobre o colete e distintivo da polícia civil que ele usava, indicou que os apetrechos estavam na casa dele. “Seguimos então para o edifício, onde fomos atendidos pela mãe do conduzido, que nos convidou para entrar e mostrou o quarto do suspeito, indicando onde estava o colete e o distintivo, sendo estes recolhidos pela equipe”, acrescentou o delegado.

Em depoimento, o conduzido alegou que a arma usada por ele era do pai, que era inspetor penitenciário de determinação temporária. Já o colete balístico, não teve nenhum documento apresentado. Ao consultarem os antecedentes criminais do indivíduo de 31 anos, os policias constataram que ele já tinha passagens pelos crimes de ameaça, estelionato e vias de fato. 

leia também:  RPMont comemora o Dia da Arma de Cavalaria

O suspeito foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma de fogo e falsa identidade, sendo encaminhado para o Centro de Triagem de Viana (CTV), ficando à disposição da Justiça.

Texto: Brenda Corti, estagiária da Seção de Imprensa e Comunicação Interna (Sicoi)

 

Assessoria de Comunicação Polícia Civil

Comunicação Interna – (27) 3137-9024

[email protected]

Informações à Imprensa:

Matheus Zardini / Olga Samara  

(27) 3636-1574 / (27) 99297-8693 / (27) 3636-1536 / (27) 99846-1111

[email protected]

Fonte: Polícia Civil ES

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

novo cartaz apae2