conecte-se conosco


Geral - ES1.com.br

Governo autoriza construção de barragem em São Domingos do Norte

Publicado em

Foi autorizada, nesta sexta-feira, 16, a publicação do edital de licitação para a construção de barragem em Córrego Braço do Sul, no município de São Domingos do Norte, pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag). O investimento previsto para a construção do reservatório é de R$ 2 milhões.
A solenidade foi realizada durante a Assembleia Geral da Cooperativa Agrária de Cafeicultores de São Gabriel (Cooabriel), no município de São Gabriel da Palha, e contou com participação de aproximadamente mil pessoas, com presença do governador Paulo Hartung; do vice-governador César Colnago; da prefeita de São Gabriel, Céia Ferreira; do prefeito de São Domingos do Norte, Pedro Dalmonte, o Pedro Pão; do gerente de Agroecologia e Produção Vegetal da Seag, Marcus Magalhães; do presidente da cooperativa, Antônio Joaquim de Souza Neto; além de autoridades estaduais e locais. 
O projeto de engenharia foi feito pela cooperativa, que também doou a área para a construção do reservatório. A barragem fica localizada no município de São Domingos do Norte, na comunidade do Córrego Braço do Sul. A capacidade de armazenamento será de quase 120 milhões de litros, em 3,65 hectares, o que atende a uma população de 10 mil habitantes, por aproximadamente seis meses. 
Durante a solenidade, o governador Paulo Hartung explicou que a medida do Governo tem como objetivo atender a uma demanda do setor produtivo, representado pela Cooabriel, e disse que o Estado está avançando na política de produção e reservação de água. “Assinamos uma parceria importante que envolve a Prefeitura, a Cooperativa e a Secretaria Estadual de Agricultura para colocar de pé esse importante projeto”, pontuou.
O gerente da Seag Marcus Magalhães também ressaltou a parceria entre o Governo e Cooabriel para viabilizar a construção da barragem. “As contas em dia do Governo aliadas à forte atuação e solidez da Cooabriel validam este projeto. A barragem é uma obra importante, pois será em uma fazenda de pesquisa agropecuária da Cooabriel, considerada a maior cooperativa de café Conilon do mundo”, disse.
O presidente da Cooabriel, Antônio Joaquim de Souza Neto, o Toninho, destacou os trabalhos desenvolvidos pela cooperativa e agradeceu ao Governo pelo apoio. “Agradeço ao governador Paulo Hartung pela parceria e por sempre fazer o possível pela gente. É uma parceria que vai ajudar muito a população”, comentou.

leia também:  Prefeito de São Domingos recebe Defesa Civil em seu gabinete

Programa Estadual de Construção de Barragens

O Programa Estadual de Construção de Barragens tem como meta construir, até o final de 2018, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura, 60 barragens em todo o Espírito Santo. O investimento inicial do programa foi de R$ 60 milhões. O objetivo é aumentar a reservação de água no Estado para os futuros períodos de estiagem. 

Assessoria de comunicação/ Seag

Geral - ES1.com.br

Bacia do Rio Santa Maria recebe mais de R$35 milhões para restauração florestal

Investimento contempla mais de mil hectares em três municípios do Espírito Santo, outros R$135 milhões foram destinados a Baixo Guandu

A bacia do rio Santa Maria do Doce receberá mais de R$35 milhões para ações de restauração florestal em cerca de mil hectares nos municípios capixabas de Colatina, São Roque do Canaã e Santa Teresa. O investimento previsto, via editais, é destinado à contratação de serviços técnicos, científicos e operacionais.

O diretor-presidente da Fundação Renova, Andre de Freitas, assinou no dia 2 de junho, em Colatina, o Termo de Compromisso que garante o repasse dos recursos. O evento contou com representantes dos Comitês das Bacias Hidrográficas do Rio Santa Maria do Doce e do Rio Doce e do poder público estadual e municipal.

Total de investimentos

Ao todo, a Fundação Renova vai investir, por meio de editais, cerca de R$540 milhões para promover a restauração florestal de, aproximadamente, 16 mil hectares.

Segundo Andre de Freitas, cerca de R$106 milhões serão destinados à recuperação de 420 nascentes e 2,8 mil hectares que, além da bacia do rio Santa Maria do Doce (ES), incluem as bacias do rio Piranga (MG) e Corrente Grande (MG). “Em maio, firmamos o investimento de R$135 milhões na restauração florestal em 5 mil hectares da bacia do rio Guandu, no Espírito Santo. Agora, anunciamos esse repasse que beneficiará diretamente mais três municípios capixabas”, afirma.

leia também:  Enem 2019 tem 6,3 milhões de inscritos

Esses valores fazem parte do montante de R$1,7 bilhão, que será empregado no cumprimento de parte da meta socioambiental de recuperar 40 mil hectares de Áreas de Preservação Permanente (APPs) e de Recarga Hídrica (ARH), e de 5 mil nascentes ao longo de dez anos.

Editais

A Fundação Renova mantém contratos com 12 parceiros para restauração florestal de 15.500 hectares. Ao oferecer serviços técnicos, científicos e operacionais, as empresas ou consórcios contratados se tornam responsáveis pela execução das ações estabelecidas pelo Programa de Recuperação de APPs e Áreas de Recarga da Bacia Hidrográfica do Rio Doce e Programa de Recuperação de Nascentes.

Produtores rurais

Além dos editais de contratação de fornecedores, a Fundação Renova mantém um edital permanente para produtores e proprietários rurais de 66 municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo. O Edital de Adesão de Produtores Rurais aos Programas de Restauração Florestal é voltado para quem deseja colaborar com o processo de restauração florestal em APPs, ARHs e nascentes em suas propriedades. Até maio mais de 1.600 inscrições haviam sido feitas, totalizando uma área de aproximadamente 23 mil hectares autodeclarados.

leia também:  Programa Cozinha Capixaba chega à reta final e capacita 80 profissionais na Serra

Segundo o coordenador de Restauração Florestal, José Almir Jacomelli, a Fundação Renova fornece os insumos necessários para o cercamento das áreas com projetos de restauração florestal, manutenção, assistência técnica operacional e apoio na inscrição da propriedade no Cadastro Ambiental Rural (CAR). “O produtor rural fica responsável por manter a área protegida, podendo executar o cercamento e mantê-lo por um prazo de cinco anos, bem como optar ou não pela execução das práticas de restauração florestal”, destaca.

Fonte: Fundação Renova

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

novo cartaz apae2