conecte-se conosco


Estado - ES1.com.br

Empresários de Cachoeiro poderão conhecer mais sobre linha de recuperação econômica nesta quinta (16)

Publicado em


As condições e o passo a passo para acessar a linha de crédito de recuperação econômica do Fundo de Proteção ao Emprego serão apresentadas a empresários de Cachoeiro de Itapemirim e região, nesta quinta-feira (16), no 1º Fórum de Lideranças Empresariais. O evento, organizado em conjunto pela  Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Espírito Santo (Faciapes) e Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Cachoeiro de Itapemirim (Acisci), pretende fortalecer a economia local e fomentar o ambiente de negócios.

O Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) estará presente, apresentando aos empresários soluções de crédito para dar dinamismo aos investimentos na região. “Temos a melhor linha de crédito do País para a recuperação de nossas empresas, que foram presumidamente afetadas pelas restrições causadas pela pandemia. O Fundo de Proteção ao Emprego tem acesso simplificado e dispensa certidões, o que pode ajudar muitas empresas neste momento, e vamos mostrar isso aos empresários”, destaca o diretor-presidente do banco capixaba, que vai apresentar as alternativas de crédito do Bandes no evento, Munir Abud de Oliveira.

leia também:  Seminário dá continuidade à reflexão sobre Busca Ativa Escolar junto aos municípios do Espírito Santo

“Estamos desenvolvendo um trabalho para tornar o banco cada vez mais virtual e ágil para atender as demandas dos empresários. Nossa intenção é criar mecanismos para conceder o crédito de forma mais simples possível, que possamos atingir o maior número de empresários, para de fato chegar à ponta daquele empreendedor que precise ter acesso ao crédito. Isso foi premissa máxima a nortear o trabalho do Bandes”, complementa Abud de Oliveira.

Acesso simplificado e condições competitivas

Os recursos do Fundo de Proteção ao Emprego podem financiar capital de giro para as empresas, como compra de estoque e investimento em adequações do modelo de negócio, por exemplo. A linha emergencial tem condições atrativas, com prazo de até 72 meses, incluídos 12 meses de carência. A linha é considerada sem juros, uma vez que apenas sofre correção pela taxa Selic. O financiamento contempla projetos de investimento de R$ 31,5 mil até R$ 1 milhão.

A linha de crédito é destinada para empresas de todo o Estado, oferecendo condições para que mantenham as suas atividades produtivas. Para a contratação, o empresário terá à disposição atendimento da equipe do banco, via website, por meio do link bandes.com.br/emergencial.

leia também:  Ações da população são importantes para evitar a proliferação do Aedes aegypti

Serviço:
1º Fórum de Lideranças Empresariais em Cachoeiro
Data: 16/09 (quinta-feira), às 9h
Local: Cerimonial Bom Gosto, Cachoeiro de Itapemirim

Informações sobre linhas de financiamento:
www.bandes.com.br
[email protected]

Informações à Imprensa:
Gerência de Comunicação Institucional do Bandes
Bárbara Deps Bonato / Wilson Igreja Campos
(27) 99774-4428 / (27) 3331-4424
[email protected]

Fonte: Governo ES

Estado - ES1.com.br

Procon-ES notifica Uber por recusa em transportar cão-guia


O Instituto Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-ES) notificou, esta semana, a Uber do Brasil Tecnologia Ltda. Isso porque o Procon-ES recebeu denúncias de que alguns motoristas do aplicativo estariam se negando a transportar cães-guias que acompanham pessoas com deficiência visual, ferindo, assim, a Lei nº. 13.146/2015, que instituiu a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência).

Segundo informações trazidas pelos consumidores, os motoristas aceitam a viagem, mas ao se deparar com a presença do cão-guia recusam a viagem e alegam não serem obrigados a transportar o animal. Tal prática viola os direitos básicos do consumidor.

De acordo com o diretor-presidente do Procon-ES, Rogério Athayde, proibir o transporte de cão-guia pelos motoristas do Aplicativo Uber é uma prática abusiva e desleal, sendo dever do Instituto zelar pelo direito desses consumidores.

“Essa atitude fere o respeito à dignidade do consumidor, um princípio a ser observado mirando preservar e garantir a harmonia na relação de consumo. Além disso, o consumidor é considerado vulnerável diante do fornecedor de produtos e serviços. Desta forma, é obrigação do Procon-ES proteger os consumidores em geral, bem como coibir quaisquer práticas que atentem contra os direitos básicos dos consumidores”, pontuou.

leia também:  Fundo de Proteção ao Emprego é apresentado para empresários do setor de Educação Física e hoteleiro

Além disso, prosseguiu Athayde, a recusa em transportar os animais se torna uma barreira à acessibilidade e à inclusão da pessoa com deficiência visual. “A prática de recusar transportar o cão-guia, além do ato de discriminação, é uma barreira que impede o exercício do direito da pessoa com deficiência à acessibilidade. Tal prática deve ser veementemente combatida, derrubando as barreiras que impedem as pessoas com deficiência de exercerem com gozo seus direitos à acessibilidade, liberdade, locomoção e à informação”, informou.

O Instituto Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor requer que, no prazo de 10 dias úteis, a partir do recebimento da notificação, que a empresa apresente os devidos esclarecimentos quanto à recusa dos motoristas em transportar pessoas com deficiência visual acompanhadas de cão-guia, devendo informar a política em relação a esses clientes.

A empresa também deve apresentar as ações adotadas para que pessoas com deficiência tenham direito à igualdade de acesso, além da resposta às queixas de consumidores que tenham sofrido discriminação ao usar seus serviços.

leia também:  Corpo de Bombeiros adquire 20 viaturas para resgatar vítimas de acidentes em parceria com o Detran

O Procon-ES recomenda ainda que a Uber do Brasil informe aos motoristas do aplicativo quanto à obrigatoriedade em transportar pessoas com deficiência visual acompanhadas de cão-guia, conforme determinação legal prevista no artigo 1º, da Lei nº. 11.126/2005.

Caso não sejam cumpridas as ações requeridas na notificação, será instaurado procedimento administrativo de ofício para constatação da prática infrativa perpetrada e posterior aplicação de sanção.

Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação do Procon-ES
Amanda Ribeiro/Renata Alves (respondendo)
[email protected]

Fonte: Governo ES

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!
Chat aberto
1
Precisa de nossa ajuda ?
Olá, nós do ES1 podemos te ajudar de alguma forma