conecte-se conosco


Economia - ES1.com.br

Empregos começam a reaparecer

Publicado em

O número de empregos formais teve uma ligeira recuperação em Barra de São Francisco no primeiro mês do ano, em relação ao ano passado, quando a redução da base de empregos formais chegou a mais de 100 vagas por ano. De acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado no início deste mês, pelo Ministério do Trabalho (MTb), o saldo de empregos formais no município em janeiro ficou positivo em 0,22%, com aumento de 12 vagas em relação a dezembro do ano passado. Foram gerados 158 empregos formais e promovidas 146 demissões.

De janeiro do ano passado a janeiro deste ano o e estoque de empregos formais ficou reduzido em 2,80% (-155 vagas). No período foram efetuadas 1,716 mil admissões e efetuadas 1.811 demissões.

Em janeiro, de todos os setores pesquisados, o destaque ficou com os setores de Extração Mineral (+11 vagas), Serviços (+11 vagas) e Comércio (+10 vagas). A Indústria teve o pior desempenho, com redução de 19 vagas (-1,33)%.

leia também:  Taxa média de juros em dezembro registrou 24,4% ao ano

 

Estado e país tem saldo positivo

O Espírito Santo teve crescimento de 0,45% na geração de empregos em janeiro deste ano. Foram 3,140 novas vagas formais. O resultado mostra que a Construção Civil teve enorme reação, com crescimento de 1,98% (785 vagas), bem como o setor de Serviços (+1.917 empregos) e Indústria (1.570 vagas). O comércio, que respondeu praticamente sozinho pela geração positiva de empregos no final do ano, ficou negativo em janeiro. Em janeiro, o Brasil criou 77.822 mil novos postos formais de trabalho, de acordo com o Caged). O resultado é o melhor para o período desde 2012, e é a primeira vez desde 2014 que as contratações superam as demissões. O saldo é resultado de 1,3 milhão de admissões e 1,2 milhão de desligamentos.

Considerados os últimos 12 meses, de fevereiro de 2017 a janeiro foram criadas 83,5 mil postos com carteira de trabalho. A última divulgação, que trouxe o saldo de 2017, mostrou que o Brasil fechou o ano passado com resultado negativo, foram fechadas 20,8 mil vagas de trabalho. Segundo a publicação, o salário médio daqueles que foram desligados no mês, descontada a inflação, foi R$ 1.636,41. Já o salário médio daqueles que foram admitidos foi menor, R$ 1.535,51.

leia também:  Bancos dizem apoiar aumento da concorrência no setor para baixar juros

Editora Hoje

Economia - ES1.com.br

Produção de petróleo, em maio, é de 2,879 milhões de barris por dia

Em maio, a produção de petróleo no país atingiu cerca de 2,879 milhões de barris por dia (MMbbl/d) e 132 milhões de metros cúbicos por dia (MMm3/d) de gás natural, totalizando 3,707 milhões de barris de óleo equivalente por dia (MMboe/d).

As informações constam do Boletim Mensal da Produção de Petróleo e Gás Natural, divulgado hoje (6), no Rio de Janeiro, pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP),

As informações podem ser acessadas, de forma interativa, nos Painéis Dinâmicos de Produção de Petróleo e Gás Natural.

Na região do pré-sal, o boletim anuncia que a produção, em maio, registrou volume de 2,835 MMboe/d, sendo 2,239 MMbbl/d de petróleo e 94,7 MMm3/d de gás natural, o que correspondeu a 76,5% da produção nacional. A produção teve origem em 128 poços.

Em maio, o aproveitamento de gás natural atingiu 96,5%. Foram disponibilizados ao mercado 46,3 Mmm³/dia. A queima de gás no mês foi de 4,5 Mmm³/d.

No mês, os campos marítimos produziram 97,4% do petróleo e 86,7% do gás natural, com os campos operados pela Petrobras sendo responsáveis por 94,2% do petróleo e do gás natural produzidos no Brasil.

leia também:  60%dos pequenos negócios tiveram crédito negado depois da crise, diz pesquisa

Números

O campo de Tupi, situado no pré-sal da Bacia de Santos, foi o maior produtor de petróleo e gás natural em maio último, com 776 MMbbl/d de petróleo e 36,6 MMm3/d de gás natural.

Já a instalação com a maior produção de petróleo, somando 165.478 bbl/d, foi a Plataforma FPSO Carioca, nos campos de Sépia e Sépia Leste, por meio de quatro poços a ela interligados. Em termos de gás natural, a instalação que apresentou a maior produção  foi a Polo Arara, produzindo nos campos de Arara Azul, Araracanga, Carapanaúba, Cupiúba, Rio Urucu e Leste do Urucu 7,252 Mmm³/d por meio de 33 poços a ela interligados.

O boletim revela, também, que Estreito, na Bacia Potiguar, teve o maior número de poços produtores terrestres (951), enquanto Tupi, na Bacia de Santos, foi o campo marítimo com maior número de poços produtores (59).

Os campos de acumulações marginais, por sua vez, produziram 539,6 boe/d, sendo 187,2 bbl/d de petróleo e 56 Mm³/d de gás natural. O campo de Iraí, operado pela Petroborn, foi o maior produtor, com 212,9 boe/d.

leia também:  Taxa média de juros em dezembro registrou 24,4% ao ano

Áreas

Em maio, 272 áreas concedidas, cinco áreas de cessão onerosa e oito de partilha, operadas por 41 empresas, foram responsáveis pela produção nacional. Dessas, 62 são marítimas e 223 terrestres, sendo 12 relativas a contratos de áreas contendo acumulações marginais. A produção ocorreu em 6.095 poços, dos quais 447 são marítimos e 5.648 terrestres.

As bacias maduras terrestres (campos/testes de longa duração das bacias do Espírito Santo, Potiguar, Recôncavo, Sergipe e Alagoas) produziram 84,698 Mboe/d, sendo 61,905 Mbbl/d de petróleo e 3,624 MMm³/d de gás natural. Desse total, 37,3 mil boe/d foram produzidos pela Petrobras e 47,4 mil boe/d por concessões não operadas pela empresa.

Segundo a ANP, o grau API médio do petróleo extraído no Brasil foi de 28,3, sendo 2,2% da produção considerada óleo leve, 93,5% óleo médio e 4,3% óleo pesado. O Grau API mede a densidade dos líquidos derivados do petróleo.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Economia

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

novo cartaz apae2