conecte-se conosco


Política Nacional

Em sessão comemorativa, professores cobram apoio e reconhecimento

Publicado em


A sessão especial do Senado, desta sexta-feira (22), comemorativa do Dia do Professor, foi marcada por registros da reinvenção dos professores que, desde 2020, tiveram que se adaptar rapidamente às circunstâncias da pandemia, mas sentem falta do devido reconhecimento.

A sessão foi realizada a pedido do senador Izalci Lucas (PSDB-DF), que também presidiu o Plenário virtual. Ao abrir a sessão especial, Izalci pontuou que começou sua vida como professor e se disse estarrecido com a contínua falta de respeito e de valorização da educação por parte dos governos.

— O que vemos são professores tratados com violência física e moral, além de escolas mal cuidadas e, quase sempre, sem infraestrutura adequada para dar a educação que nossas crianças e jovens precisam. A inversão de valores, neste país, é algo assustador. Como podemos exigir de nossas crianças e adolescentes que respeitem seus mestres se o Estado os trata como se bandidos fossem? — indagou.

Izalci disse que nunca ouviu discurso que não fosse de elogio à educação, mas poucos se dedicam ao assunto quando se trata de investimentos e transferência de recursos.

Presidente da organização Todos Pela Educação, Priscila Cruz, definiu que o professor “não é nem coitado, nem herói”, mas o principal profissional deste país, sendo digno de seguir uma carreira atraente e ter uma boa formação inicial. Ela pediu reconhecimento às dificuldades adicionais enfrentadas pela categoria em decorrência do período de pandemia.

— Os professores tiveram que mudar sua forma de atuação de forma rápida e ágil, e conseguiram se reinventar, garantindo a aprendizagem dos alunos. Claro que agora é muito importante, nesta retomada das aulas presenciais, a gente saber cuidar do professor — opinou, ao cobrar políticas públicas bem implementadas e em aperfeiçoamento contínuo.

Rodrigo de Paula, representando o Sindicato dos Professores em Estabelecimentos Particulares de Ensino do Distrito Federal (Sinproep) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee), registrou que a suspensão das aulas presenciais, em 2020, levou os professores a improvisar meios de ensino à distância sem nenhum apoio do governo. Para ele, essa precariedade revela as enormes desigualdades do setor educacional e levará o país a regredir na comparação com outras nações.

leia também:  Pacheco lamenta morte por covid-19 do ex-diretor da Polícia do Senado

— Nós temos, até o presente momento, alunos da rede pública que estão há quase dois anos sem assistir aulas, porque o governo não teve competência de se reestruturar, de dar as condições para que os nossos educandos e os professores dessem continuidade.

Ana Elisa de Oliveira Resende, presidente do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Distrito Federal (Sinepe-DF), também pontuou que os professores “dormiram analógicos e tiveram que acordar digitais” com a pandemia, e defendeu a importância harmônica do professor e da escola na formação geral do cidadão.

— O desafio de garantir a aprendizagem de cada aluno, respeitando a sua particularidade, é muito complicado. Somente professores conseguem ter a capacidade para isso, e creio que as famílias puderam perceber isso durante a pandemia, a importância de um professor que tem uma expertise e que tenha preparo para ensinar — afirmou.

Diretora do Centro de Ensino Fundamental (CEF) Caseb, em Brasília, Angelita Amarante Garcia acrescentou que, diferentemente da percepção corrente, os professores trabalharam muito durante a pandemia e prestaram apoio importante aos alunos que sofreram psicologicamente com o isolamento. Ela pediu um olhar mais sensível da classe política para a valorização da educação e do professor.

— Que o professor não seja só respeitado, mas, sim, valorizado, com melhores condições de trabalho, com melhores recursos e também com melhores salários. Nós precisamos ter também uma paz, uma tranquilidade para poder nos dedicar, dia a dia, à nossa comunidade escolar, à nossa missão. E, para isso, precisamos ser reconhecidos — disse.

leia também:  Senado aprova projeto que estipula fim do desmatamento ilegal nos próximos quatro anos

Luis Carlos Loyola, professor de português e robótica, ressaltou que na busca do reconhecimento, o professor não quer “ganhar mais”, e sim ter qualidade de vida.

— Isso envolve ele saber que a escola dele tem estrutura, que ele pode acolher os seus alunos, que ele, como professor, tem uma internet que vai funcionar, que ele pode fazer um trabalho mais sério ainda, mais sólido ainda e mais dedicado ainda para que isso dê certo. E tempo: tempo para se preparar, tempo para estudar, para fazer cursos.

Amábile Pacios, vice-presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares de Educação (Fenepe) e membro do Conselho Nacional de Educação (CNE), também lembrou o grande desafio da retomada da educação no país depois do período de pandemia. A estudante do ensino fundamental, Maria Eduarda Silva Reis, leu mensagem de apoio aos professores no enfrentamento de seus desafios.

Gicileide Ferreira de Oliveira, diretora do Centro de Ensino Especial do Guará (DF) – escola pública que atende a alunos com deficiência, definiu os professores como guerreiros que se doam em prol dos estudantes e alertou para a dificuldade de proporcionar inclusão e autonomia aos alunos em salas superlotadas.

Valquiria Theodoro, mãe e ativista pela educação especial, também citou a pandemia para cobrar adequação tecnológica da área educacional com “engajamento, foco e comprometimento” do poder público. E Maria das Graças de Freitas de Abreu, mãe de aluno do Centro de Ensino Especial do Guará, avaliou que o aprendizado da crise da covid deveria entrar como “uma graduação, uma especialização, um título a mais” nos currículos dos professores.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Política Nacional

Aliciadores reforçam atuação nas redes sociais durante a pandemia, adverte especialista


Dados apresentados, nesta sexta-feira (3), durante audiência pública interativa que discutiu a situação dos brasileiros no exterior, mostram que o tráfico de pessoas vem mudando sua forma de atuação desde a pandemia de covid-19. O debate foi promovido pela Comissão Mista Permanente sobre Migrações Internacionais e Refugiados (CMMIR), por meio de requerimento (REQ 5/2021) do senador Paulo Paim (PT-RS), que preside o colegiado.

Segundo a cordenadora de projetos na Associação Brasileira de Defesa da Mulher, Infância e Juventude (Asbrad), Graziella do Ó Rocha, se antes as vítimas eram aliciadas por pessoas próximas, hoje o que se vê é uma grande interação nas redes sociais. Diversas pessoas recebem propostas tanto de trabalho quanto de amor romântico e largam tudo em busca daquilo que consideram um sonho. 

México, Equador, Peru e Bolívia são rotas de origem. O Brasil tem recebido pessoas desses países para exploração em seu próprio território. Do Brasil para o exterior, o que se tem mapeado é que Estados Unidos, Suíça e Itália são os países em que brasileiros e brasileiras são mais explorados. Das vítimas, 80% são mulheres, 18% são homens e dois por cento são pessoas trans. A maioria dessa exploração é para fins sexuais e 44%, para trabalho. Oitenta e cinco por cento das vítimas não estão documentadas.

– O que a gente tem visto é pouco apoio do aparato das relações internacionais do Brasil de orientação e apoio a essas vítimas. A gente também recebe muita reclamação de busca aos consulados e embaixadas do Brasil de não ter atenção e devido apoio. Essas pessoas vão em busca desse sonho. Muitos desses perpetradores têm um modus operandi que reconhece a vulnerabilidade da vítima, que pode não ser só econômica. Internacionalmente, o que a gente vê é que são pessoas que nem estão numa situação de insegurança alimentar, mas que tem seu sonho explorado, a maioria mulheres, muito relacionado a essa cultura patriarcal que a gente tem, e esse sonho que é vendido e passado muito pela mídia, de que vai encontrar esse marido rico e que isso vai modificar a vida — afirmou.

Graziella ressaltou ainda que a Asbrad foi a primeira organização da sociedade civil a analisar o tráfico de pessoas, ainda no início dos anos 90. O trabalho deu origem a postos de atendimento ao imigrante, distribuídos hoje em 17 estados brasileiros que reúnem pontos críticos de movimentação. Ela também citou a criação de um site pela Organização das Nações Unidas, em parceria com a Microsoft, que oferece uma noção do tráfico internacional de pessoas.

Pelo mundo

Dados do Itamaraty de 2020, apontados por Paulo Paim, revelam que há 4,2 milhões de brasileiros fora do país, distribuídos majoritariamente por cinco países: Estados Unidos (1,7 milhão), Portugal (286 mil), Paraguai (240 mil), Reino Unido (220 mil) e Japão (211 mil).

leia também:  Senadora defende maior participação feminina nas Forças Armadas

— Esses são dados oficiais, mas ainda existe um número não mensurável dos que estão em situação ilegal e na clandestinidade. É algo que o Estado brasileiro tem que criar para mapear. Os problemas sociais e econômicos têm motivado nossa gente a sair do país desde o final da ditadura ou mesmo durante a ditadura, quando possível. Com o desaparecimento do progresso econômico e a fuga das multinacionais desde a segunda metade da década de 2010, temos acompanhado o crescimento de 81% da fuga dos trabalhadores qualificados para países ricos que pertencem à OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico]. Há um cenário claro de fuga do capital externo, combinado com a ausência de um projeto de nação que esteja integrado e atento as suas consequências na vida da população — afirmou.

Em dois meses de trabalho, a comissão mista promoveu oito reuniões para discutir a crise migratória internacional, além de ter participado de duas missões em Recife, com foco na questão do trabalho para migrantes e refugiados, e Roraima, o mais recente foco de migração em massa no país, destacou Paulo Paim.

— Pelo que estamos acompanhando dessa realidade, ainda há muito o que o Estado brasileiro tem que fazer para dar suporte aos seus cidadãos que saem do país. Os maiores motivadores são a prosperidade e a esperança de vida melhor. Muitos acabam se colocando em situações extremamente complicadas e de vulnerabilidade — afirmou o senador.

Diáspora brasileira

Coordenador de projetos na Organização Internacional para as Migrações (OIM), Guilherme Otero destacou que a diáspora brasileira tem se tornado mais difícil e delicada com as crises sanitária e econômica pelas quais vêm passando o Brasil e o mundo. Ele também afirmou que houve uma quebra inédita nos fluxos migratórios globais devido a pandemia.

— Em 2019 haviam sido registrados 4,5 bilhões de passageiros aéreos no mundo todo. Até o final de 2020, o número caiu para 1,8 bilhão, com as diversas restrições de viagens que foram impostas por praticamente todos os governos do mundo, de uma forma ou de outra, com intensidades diferentes também. E mesmo assim, com essa diminuição dos voos internacionais, identificamos um leve aumento do número de imigrantes internacionais no mundo todo, pessoas vivendo fora do país onde elas nasceram, que alcançou 281 milhões de pessoas ao fim de 2020, frente as 272 milhões de pessoas que haviam sido registradas em 2019.

Além disso, afirmou Otero, houve aumento no número de deslocamentos forçados, por conta de desastres naturais, violências e conflitos, aumento de trabalhadores migrantes internacionais e, ainda, uma força de trabalho majoritariamente masculina, mas com participação crescente de mulheres que são arrimos de família, ao contrário da concepção antiga segundo a qual o homem era sempre o primeiro a migrar para depois levar a família.

Direito internacional

Presidente da Comissão de Migrações e Comércio Exterior da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/DF), Clarita Costa Maia destacou que diversas conjunturas trouxeram para o topo da agenda política o tema da imigração ilegal no país, como a explosão de notícias sobre imigrações ilegais, crimes patrimoniais e sexuais, incolumidade física e psicológica sofrida por brasileiros nas mãos de atravessadores e empregadores, tráfico internacional de seres humanos e crianças, lenocínio, tráfico de órgãos, entre outros.

leia também:  Senado aprova projeto que estipula fim do desmatamento ilegal nos próximos quatro anos

Clarita defendeu o diálogo permanente das autoridades com a comunidade brasileira no exterior e apontou o lento amadurecer da comunidade jurídica nacional para questões ligadas às relações internacionais e ao direito internacional.

— O direito internacional nunca foi visto na comunidade jurídica nacional, infelizmente, com a dignidade que sempre mereceu, tendo essa realidade se modificado durante os últimos anos. Atualmente, quase todas as seccionais e até subseccionais da OAB contam com uma comissão de relações internacionais ou direito internacional, quando não com diversas comissões temáticas que tratam de assunto específico dentro da grande área temática internacional — afirmou.

Apoio às mulheres

Voluntária do Grupo Mulheres do Brasil, que atua como rede de apoio a mulheres em diversos países do mundo, Andrea Clemente observou que a violência contra a imigrante nem sempre se caracteriza como agressão física.

— Ela pode ser financeira, psicológica e torna a vítima perfeita para a violência, com vulnerabilidade que independe de classe social e da razão que a levou a migrar. A diáspora tem aumentado. Daí a importância da rede de apoio, da participação ativa da sociedade civil na comunidade imigrante, aliada às políticas públicas para poder tornar possível o atendimento da população migrante em diversos países — afirmou.

‘Fragilizados’

Diretor de Pesquisas da prefeitura de Boston e coordenador da Vota Brasil 2022, Álvaro Lima mora há 35 anos nos Estados Unidos e afirmou que, neste período de pandemia, a situação dos brasileiros imigrantes naquele país é a pior que já presenciou.

— Os imigrantes, em geral, entram na pandemia numa situação bastante frágil, tanto do ponto de vista da saúde, com várias comorbidades, como também entram fragilizados na sua situação econômica. Os imigrantes brasileiros trabalham em empregos de alto risco e de baixos salários que, durante a pandemia, foram os primeiros a serem fechados, trabalham no comércio, na indústria do turismo, nos serviços e restaurantes, grande parte deles são indocumentados e não tiveram acesso aos recursos do governo federal de apoio às populações — afirmou.

Álvaro ressaltou que, no último ano do governo de Donald Trump, os imigrantes foram “desumanizados, perseguidos e viveram um ‘momento terrível’, em que tiveram que optar pelo trabalho fragilizado, como a entrega de comida por aplicativos, ou enfrentar o desemprego e arriscar os meios de sobrevivência.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!
Chat aberto
1
Precisa de nossa ajuda ?
Olá, nós do ES1 podemos te ajudar de alguma forma