conecte-se conosco


Economia

Dólar fecha perto da estabilidade, mas cai 4,54% na semana

Publicado em

© Marcello Casal Jr./Agência Brasil


.

Depois de passar boa parte do dia em queda, o dólar reverteu o movimento e fechou próximo da estabilidade. O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (22) vendido a R$ 5,574, com leve recuo de R$ 0,009 (-0,15%).

A divisa iniciou a sessão em baixa. Na mínima do dia, por volta das 14h, chegou a ser vendida a R$ 5,54, mas a queda desacelerou-se após a decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, de divulgar o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril.

Apesar da estabilidade de hoje, o dólar caiu 4,54% na semana. No ano, a divisa acumula alta de 38,9%. O Banco Central (BC) interferiu pouco no mercado. A autoridade monetária rolou (renovou) cerca de US$ 620 milhões de contratos de swap cambial e comprou títulos da dívida pública externa de bancos brasileiros com o compromisso de devolver os papéis daqui a um mês.

Bolsa de valores

O mercado de ações teve um dia de perdas. Depois de dois dias seguidos de alta, o Ibovespa, índice da Bolsa de Valores de São Paulo, fechou esta sexta-feira aos 82.173 pontos, com queda de 1,03%. Ontem, o indicador tinha fechado acima de 83 mil pontos pela primeira vez desde o fim de abril. Na semana, porém, o Ibovespa subiu 5,95%.

leia também:  Caixa pagou R$ 76,6 bilhões em auxílio emergencial

Além da realização de lucros, quando os investidores vendem ações para embolsarem os ganhos dos dias anteriores, o Ibovespa foi afetado pelo mercado externo. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou o dia praticamente estável, com queda de 0,04%.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dias, os investimentos têm oscilado entre possíveis ganhos com o relaxamento de restrições em vários países da Europa e em regiões dos Estados Unidos e contratempos no combate à doença.

Edição: Nádia Franco

Economia

Firjan lança guia com recomendações para a retomada do trabalho


.

A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) divulgou, hoje (29), o Guia de Orientações para a Retomada Segura das Atividades Industriais, de forma a permitir que as empresas retomem as atividades em um ambiente de segurança para os trabalhadores, durante a pandemia do novo coronavírus (covid-19).

O presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, ressaltou que nessa retomada em primeiro lugar vem a pessoa. “Nós nunca iríamos induzir o trabalhador a entrar em risco”. 

Gouvêa Vieira lembrou que a economia está parada há mais de dois meses, e o setor público não tem mais recursos para atender aos necessitados porque “acabou a arrecadação”. 

Segundo ele, o Brasil, diferentemente dos países europeus, que são nações ricas e com maior fôlego para ir adiante, “tem que descobrir um caminho para seguir em frente, protegendo a pessoa e, ao mesmo tempo, proporcionando renda”.

Gouvêa Vieira disse que já há movimentos do setor público se preparando para a retomada das atividades. Citou o caso do município do Rio de Janeiro, onde o prefeito Marcelo Crivella apresentou hoje (29) alguns parâmetros para a retomada do trabalho. “Mas, no nosso caso, é dentro das fábricas”, disse o presidente da Firjan.

O guia abrange diversos segmentos industriais, cada um com suas particularidades, e todos obedecem aos parâmetros estabelecidos pelas autoridades sanitárias do Brasil, bem como às regras da Organização Mundial da Saúde (OMS). “De tal forma que o empresário possa ter uma orientação sobre como ajustar seus trabalhadores nessa crise horrorosa”.

leia também:  Guedes diz que país mantém determinação de "furar ondas da crise"

Produtividade

O processo de produção e produtividade não vai ser retomado do dia para a noite, disse Gouvêa Vieira. “Mas é necessário se começar. A nossa obrigação é orientar os empresários, preocupados com seus trabalhadores”. 

De acordo com o presidente da Firjan, todos as atividades da indústria foram prejudicadas pela crise da covid-19, entre os quais os setores metalmecânico, de confecções, da construção civil. “Não tem renda. Nós precisamos que a máquina comece a funcionar para que a renda apareça e as pessoas possam voltar a comprar dentro das suas necessidades, nesses diversos setores”. 

O empresário disse que o drama maior é vivido pelas pequenas empresas, que não têm a capacidade de reflexão das grandes companhias nem, muito menos, conhecimentos no exterior que facilitem a permanência em atividade. “O foco são as pequenas e micro empresas”, disse Gouvêa Vieira.

Guia

O guia faz parte do Programa Resiliência Produtiva Firjan e é dividido em dez tópicos, com informações práticas para os empresários. O documento sugere que as empresas observem diretrizes essenciais, que levam em conta três eixos. O primeiro diz respeito à adequação no ambiente de trabalho, abrangendo desinfecção e limpeza; sinalização e adequação de layouts em ambientes de uso coletivo para manter o distanciamento; medidas administrativas; comunicação, treinamento e orientações.

O segundo eixo envolve novas rotinas de trabalho em tempos da covid-19, orientando sobre uso de máscara ou outro tipo de proteção facial; higienização pessoal; alterações emocionais e saúde mental; e mudança do horário dos turnos ou redução de jornada, para atender às necessidades de distanciamento social. 

leia também:  Firjan lança guia com recomendações para a retomada do trabalho

O terceiro eixo trata do ciclo de cuidado com as pessoas e orienta sobre imunização dos trabalhadores para outras doenças como sarampo e influenza; monitoramento da saúde dos trabalhadores assintomáticos; manejo para identificação de casos suspeitos; acompanhamento do retorno ao trabalho de infectados recuperados; e exames diagnósticos.

Novas rotinas

Para o gerente institucional de Saúde e Segurança do Trabalho na Firjan, José Luiz Pedro de Barros, o retorno à atividade “não será uma volta a tudo como era antes, pois as empresas terão que conviver com novos procedimentos e rotinas de trabalho”. 

Ele disse que cada empresa vai avaliar as medidas que vai adotar, dentro da sua realidade. “O guia traz várias sugestões e orientações para que a empresa alcance as diretrizes”.

O guia lançado pela Firjan salienta os cuidados em relação aos trabalhadores pertencentes ao grupo de risco, que engloba os maiores de 60 anos de idade ou com comorbidades, e indica que sejam evitados contatos muito próximos, como abraços, beijos e apertos de mão. Há ainda medidas para garantir o isolamento social, incluindo possibilidades de adequação de turnos.

As orientações são divididas pelos setores de alimentos e bebidas; construção civil; óleo e gás; construção naval; metalmecânico; papel, gráfica e editorial; confecção, têxtil e moda; extração mineral; audiovisual; entre outros.

O guia está disponível no site da Firjan.

 

Edição: Fernando Fraga

Visualizar

MAIS LIDAS

error: O conteúdo está protegido !!
Chat aberto
1
Precisa de nossa ajuda ?
Olá, nós do ES1 podemos te ajudar de alguma forma
Powered by