conecte-se conosco


Economia

Dólar aproxima-se de R$ 5,40, mas cai na semana

Publicado em

© REUTERS/Mike Segar/Diretos reservados


Num dia de tensões no mercado financeiro, o dólar teve a maior alta diária desde o fim de outubro, mas encerrou a semana em queda de 1,63%. A bolsa caiu, acompanhando a movimentação no exterior, mas fechou a semana com alta de 1,16%.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (20) vendido a R$ 5,386, com alta de R$ 0,072 (+1,35%). A moeda norte-americana chegou a abrir o dia em queda, mas passou a subir ainda durante a manhã, à medida que o pessimismo se consolidou no mercado internacional. Essa foi a maior valorização diária do dólar desde 28 de outubro, quando a divisa tinha subido 1,42%.

Apesar da alta desta sexta, a divisa acumula queda de 6,14% em novembro. No ano, o dólar valorizou-se 34,24%.

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou a sexta-feira aos 106.042 pontos, com recuo de 0,59%. O indicador chegou a operar em leve alta durante a manhã, mas inverteu o movimento e passou a cair.

Tanto o dólar como a bolsa seguiram os mercados externos. O aumento de casos de covid-19 nos Estados Unidos e em países da Europa desanimaram os investidores internacionais, apesar dos avanços registrados nos últimos dias em diversas vacinas.

leia também:  Vendas para China preveniram choque nas exportações, diz Guedes

Outros dois fatores contribuíram para o pessimismo. A estagnação nas discussões sobre um novo pacote de estímulo nos Estados Unidos voltou a influenciar o mercado. Ontem, os líderes das bancadas democrata e republicana no Senado norte-americano tinham anunciado a disposição em retomar as conversas, mas as negociações não avançaram nesta sexta.

O segundo fator foi a decisão do secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, anunciar uma restrição de financiamentos para programas de socorro do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano). A instituição financeira emitiu comunicado em que afirma que a medida não causará problemas porque o próprio Fed pode remanejar recursos internos.

No Brasil, o mercado também repercutiu uma declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o país pode vender uma pequena parcela das reservas internacionais para reduzir um pouco o endividamento público. Nesta tarde, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, confirmou que a proposta está em estudo, mas que a decisão final cabe ao Banco Central .

* Com informações da Reuters

Edição: Fábio Massalli

leia também:  Vendas de máquinas agrícolas no Brasil caem 3,4%

Economia

Grupo Neoenergia vence leilão da CEB com ágio de 76,63%


A Bahia Geração de Energia, do Grupo Neoenergia, venceu, sob representação do CityGroup, o leilão de privatização da Companhia Energética de Brasília S.A (CEB Distribuição), realizado na manhã desta sexta-feira (4), na sede da B3, em São Paulo. O valor de arremate foi de R$ 2,515 bilhões, um ágio de 76,63%.

De acordo com as regras estipuladas para o certame, o lance mínimo deveria ser de R$ 1,423 bilhão. Com duração aproximada de duas horas, a disputa foi bastante acirrada entre a Bahia Geração de Energia e a CPFL Comercialização de Energia Cone Sul, representada pela BTG Pactual.

A CPFL terminou o leilão oferecendo R$ 2,508 bilhões, um ágio de 76,14%. A terceira concorrente, a Equatorial Participações e Investimentos, representada pela corretora XP, apresentou uma proposta de R$ 1,485 bilhão, um ágio de 4,29%.

O processo de privatização da empresa foi desenhado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O presidente da instituição, Gustavo Montezano, afirmou que a CEB “drenava” recursos públicos que poderiam ser destinados a outras áreas, como educação, saúde, infraestrutura da unidade federativa. Segundo ele, a previsão é de que a concessão atraia R$ 5 bilhões de investimento para a região.

leia também:  Aneel mantém bandeira verde nas contas de energia de maio

O presidente da CEB, Edison Garcia, reconheceu que a privatização da companhia foi alvo de “muita oposição”, mas argumentou que seguiu princípios técnicos e que deve melhorar o serviço. “Chegamos em um prazo recorde, histórico, de privatizações no Brasil, com uma privatização com o maior ágio, o maior número nominal de venda e o maior tempo possível”, disse, destacando que o processo todo demorou 11 meses para ser concluído.

Presente no leilão, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, anunciou que deve privatizar, ainda, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb). Ele disse que também pretende passar a Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô DF) para as mãos do setor privado, durante a sua gestão.

Edição: Fernando Fraga

Visualizar

MAIS LIDAS

error: O conteúdo está protegido !!
Chat aberto
1
Precisa de nossa ajuda ?
Olá, nós do ES1 podemos te ajudar de alguma forma