conecte-se conosco


Saúde - ES1.com.br

Dois vírus gigantes são descobertos no Brasil

Publicado em

Dois novos vírus gigantes foram descobertos no Brasil, de acordo com um estudo publicado nesta terça-feira, 27, na revista Nature Communications. Os dois espécimes – que pertencem a um novo gênero batizado de Tupanvirus – têm uma complexidade genética jamais encontrada em qualquer outro vírus, de acordo com os autores do estudo.
Tão grandes que podem ser observados em um microscópio óptico comum, os vírus gigantes não causam doenças e infectam preferencialmente as amebas, de acordo com um dos autores do estudo, Jônatas Abrahão, professor do Departamento de Microbiologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ao contrário de outros vírus, o Tupanvirus possui uma espécie de cauda, cuja função ainda é desconhecida.
“Como outros vírus gigantes já descobertos no passado, o Tupanvirus infecta amebas. A diferença é que ele é muito mais generalista: ao contrário dos outros, ele é capaz de infectar diferentes tipos de amebas”, disse Abrahão à reportagem.
De acordo com Abrahão, as amebas estão entre os seres mais antigos da Terra, o que leva os cientistas a levantarem a hipótese de que os vírus gigantes também podem ser bastante antigos. “Olhar para a relação entre vírus gigantes e amebas equivale a olhar para o passado e entender a origem das primeiras formas de vida”, explicou o cientista.
O pesquisador conta que os dois vírus foram encontrados em ambientes aquáticos extremos, em condições semelhantes às que deram origem às primeiras formas de vida na Terra. Um deles foi coletado por outro dos autores do estudo, Ivan Bergier, da Embrapa Pantanal, nas lagoas de água altamente salgada de alcalina que ficam em Nhecolândia, na região de Corumbá (MS).
“O outro Tupanvirus foi identificado em sedimentos marinhos coletados por um robô da Petrobras a cerca de 3 mil metros de profundidade, na região da Bacia de Campos, na costa do Rio de Janeiro”, disse Abrahão.
Além dos estudos biológicos, os cientistas sequenciaram os genomas completos dos dois Tupanvirus. “A coisa mais fantástica relacionado ao genoma desses vírus é a presença de um conjunto praticamente completo dos genes relacionados à produção de proteínas”, afirmou o pesquisador.
Abrahão explica que até 2003, quando foi descoberto o primeiro vírus gigante, na França, não havia registro de nenhum vírus que possuísse os genes responsáveis por “montar as peças” das proteínas.
“Com a descoberta dos supervírus, vimos que esses genes podem estar presentes nos genomas virais. Mas o Tupanvirus possui todos os genes necessários para incorporar todos os 20 tipos existentes de aminoácidos nas proteínas”, disse o pesquisador.
Segundo ele, a análise genômica também mostrou que o Tupanvirus possui genes semelhantes aos que existem em vírus conhecidos e em três domínios da vida: archea, bacteria e eukarya. “Também observamos que um terço dos genes do Tupanvirus são completamente novos e desconhecido”, afirmou Abrahão.

camera_enhance Bacia de Campos: um dos vírus foi identificado em sedimentos marinhos coletados na região da Bacia de Campos. (Crédito: Rich Press/Bloomberg)

Elo perdido

leia também:  Especialistas alertam para epidemias de Zika e Chikungunya no verão

O pesquisador afirma que, por todas essas características, o Tupanvirus pode ser considerado uma espécie de “elo perdido” na evolução dos microorganismos.
“Os vírus parasitam células por duas razões. Uma é produzir proteína, utilizando a maquinaria celular para isso. A outra é produzir energia. No caso do Tupanvirus, ele não possui genes para produzir energia, mas tem quase todos os genes relacionados à produção de proteínas. Essa característica muda a noção que temos da distinção entre os vírus e os organismos formados por células”, explicou.
A descoberta dos vírus gigantes, segundo Abrahão, deflagrou um debate sobre a evolução dos vírus entre os cientistas. Uma das teorias principais é que os vírus gigantes tenham evoluído a partir de um ancestral mais simples por meio da aquisição de genes de hospedeiros infectados. A outra teoria é que os ancestrais dos vírus gigantes também tenham sido ainda mais gigantescos, que foram perdendo os genes dispensáveis ao longo do tempo.
“As características básicas que permitem distinguir os vírus dos organismos celulares está sendo revista com o Tupanvirus. Alguns cientistas defendem que os vírus gigantes representam um quarto domínio da vida. Há um debate intenso sobre isso e o Tupanvirus com certeza vai colocar mais combustível nessa discussão”, disse Abrahão.

Estadão

leia também:  37% das mulheres no Brasil não querem ter filhos", diz pesquisa

Saúde - ES1.com.br

Plataforma informa disponibilidade de vacina para criança em São Paulo


A partir de hoje (16) estão disponíveis para os pais as consultas sobre a disponibilidade de doses pediátricas da vacina contra a covid-19 e também a movimentação das unidades de saúde de São Paulo. Basta acessar a plataforma De Olho na fila. Com isso, é possível verificar as informações antes da ida aos postos de saúde, podendo escolher o horário mais conveniente.  

A vacinação das crianças de 5 a 11 anos de idade com comorbidades ou deficiência permanente (física, sensorial ou intelectual) começou às 8h na cidade de São Paulo. A imunização também estará disponível para crianças indígenas aldeadas da mesma faixa etária. O esquema vacinal para as crianças é de duas doses, com intervalo de oito semanas entre uma e outra.

Para receber a dose as crianças devem estar acompanhadas por um responsável maior de 18 anos e apresentar documento de identificação (preferencialmente CPF – Cadastro de Pessoa Física), carteirinha de vacinação, comprovante de condição de risco para os comórbidos (exames, receitas, relatório ou prescrição médica físicos ou digitais, contendo o número do CRM (Conselho Regional de Medicina) do médico e com até dois anos de emissão e comprovante da deficiência para os deficientes permanentes (laudo médico, cartão de gratuidade no transporte público, documentos comprobatórios de atendimento em centros de reabilitação ou unidades especializadas ou documento oficial de identidade com a indicação da deficiência).

leia também:  ES registra 2.585 pacientes recuperados da COVID-19

Imunização

A capital paulista recebeu na sexta-feira (14), 64.090 doses de vacinas destinadas à imunização de crianças. Elas foram distribuídas para as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e Assistências Médicas Ambulatoriais (AMAs/UBSs Integradas), encarregadas da aplicação dos imunizantes.

Para consultar a lista de endereços das UBSs basta acessar o site.

Entram na lista de comorbidades insuficiência cardíaca; cor-pulmonante e hipertensão pulmonar; cardiopatia hipertensiva; síndrome coronariana; valvopatias; miocardiopatias e pericardiopatias; doença da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosa; arritmias cardíacas; cardiopatias congênitas; próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados; talassemia; síndrome de Down; autismo; diabetes mellitus; pneumopatias crônicas graves; hipertensão arterial; doença cerebrovascular; doença renal crônica; imunossuprimidos (incluindo pacientes oncológicos); anemia falciforme; obesidade mórbida; cirrose hepática e HIV.

Já as deficiências permanentes físicas são a limitação motora que cause grande dificuldade ou incapacidade para andar ou subir escadas; as sensoriais que incluem indivíduos com grande dificuldade ou incapacidade de ouvir mesmo com uso de aparelho auditivo; as visuais que abrangem indivíduos com baixa visão ou cegueira; e a intelectual considera indivíduos com alguma deficiência intelectual permanente que limite as suas atividades habituais.

leia também:  Vila Valério recebe 2 ambulâncias adquiridas com recursos próprios

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!
Chat aberto
1
Precisa de nossa ajuda ?
Olá, nós do ES1 podemos te ajudar de alguma forma