conecte-se conosco


Política Nacional

CPI quer suspender contratos da União em que FIB Bank aparece como garantidora

Publicado em


A CPI da Pandemia vai requisitar à Procuradoria-Geral da República que determine, em caráter de urgência, a realização de investigação rigorosa de todos os contratos em que a FIB Bank figure como instituição garantidora. Além disso, a comissão vai encaminhar todas as informações ao Tribunal de Contas da União (TCU), para que seja feita uma auditoria em todos os negócios firmados.

A decisão foi aprovada nesta terça-feira (14) durante o depoimento do advogado e empresário Marcos Tolentino da Silva, dono da Rede Brasil de Televisão, suspeito de ser um sócio oculto da empresa FIB Bank — que, apesar do nome, não é um banco —, responsável por fornecer à Precisa Medicamentos garantia no fechamento do contrato da vacina indiana Covaxin com o Ministério da Saúde.

Depois de constarem que a FIB Bank ofereceu garantias em outros negócios celebrados por órgãos públicos, os senadores também aprovaram requerimento pedindo informações ao Ministério da Economia, à Casa Civil, à Advocacia-Geral da União (AGU) e outros ministérios a respeito de cartas de fiança emitidas pela instituição. 

leia também:  Comissão discute revalidação de diplomas para estrangeiros e defende custo menor

Os parlamentares demonstraram espanto ao constatarem que a FIB Bank avalizou outros contratos no âmbito de órgãos da União e questionaram como os negócios foram concretizados. 

 Aí está o pulo do gato. A Fazenda Nacional não era ouvida, a Procuradoria da República não era ouvida, a Advocacia-Geral da União, quando era ouvida, era ouvida tardiamente ou não era obedecida. Foi assim que aconteceu com a Covaxin. O advogado da AGU disse que faltava garantia, que a garantia tinha de ser bancária; eles não só descumpriram a lei, não só descumpriram o contrato, como aceitaram uma garantia que não é bancária de um banco que não é banco. Comprova o conluio  avaliou a senadora Simone Tebet (MDB-MS). 

Mais informações a seguir

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Política Nacional

É preciso investir para que turismo seja mais inclusivo, apontam debatedores na CDR


Fazer com que o turismo seja inclusivo, alcançando cada vez mais pessoas a um custo acessível.  Esse tema foi discutido na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo, em comemoração ao Dia Mundial do Turismo, nesta segunda-feira (27).

leia também:  Senado confirma programa de créditos com R$ 5 bi para reduzir impacto da pandemia no setor de turismo
Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!

INFORMATIVO

Chat aberto
1
Precisa de nossa ajuda ?
Olá, nós do ES1 podemos te ajudar de alguma forma