conecte-se conosco


Internacional

Covid-19: Índia tem recorde de casos; Mumbai prepara novo lockdown

Publicado em

© REUTERS / Francis Mascarenhas/Direitos reservados


As novas infecções pelo novo coronavírus da Índia atingiram nível recorde nesta quarta-feira (14). Mumbai se prepara para novo lockdown a partir da meia-noite, mas centenas de milhares de peregrinos continuam chegando para um festival religioso no norte do país.

A Índia relatou 184.372 casos nas últimas 24 horas, mostraram dados do Ministério da Saúde, o que eleva o total de infecções a 13,9 milhões. As mortes aumentaram em 1.027 e somam 172.085.

Depois de relatar menos de 10 mil casos por dia no início deste ano, a Índia se tornou o país mais atingido a partir de 2 de abril. O governo atribui o aumento a uma incapacidade generalizada de cumprir as restrições à circulação e à interação social na população de 1,39 bilhão de habitantes.

O aumento de casos ocorre no momento em que o maior estado indiano, Maharashtra, o epicentro da segunda onda nacional, está prestes a entrar em lockdown total, até o final de abril, para conter a disseminação do vírus. O estado responde por cerca de um quarto do total de casos do país.

leia também:  UE analisa vacina contra Covid-19 da Pfizer-BioNTech em tempo real

Mumbai, a capital comercial indiana, estava repleta de compradores que faziam estoques antes de o lockdown entrar em vigor.

“Não sabemos se poderemos montar nossas barracas a partir de amanhã, então estamos pedindo aos nossos clientes que estoquem o máximo possível hoje”, disse Susheela, uma vendedora de vegetais que trabalha na rua e só usa o primeiro nome.

Havia grandes filas diante de muitos mercadinhos. Em outros locais, hospitais particulares sobrecarregados estavam recusando pacientes, o que aumenta o fardo das instalações governamentais.

Em Gujurat, um estado do oeste, uma testemunha disse à Reuters que viu uma fila grande de ambulâncias esperando diante do Hospital Civil Ahmedabad nesta quarta-feira. Alguns pacientes recebiam atendimento dentro das ambulâncias enquanto aguardavam.

“Minha esposa foi diagnosticada com covid-19 no domingo. Chamamos uma ambulância hoje de manhã para levá-la ao hospital porque estava com dificuldade para respirar”, contou Becharbhai Waghela, que acompanhava a mulher, Shantaben, de 61 anos.

Apesar do quadro, centenas de milhares de hindus devotos se reuniram para se banhar no Rio Ganges na cidade de Haridwar, no norte, nesta quarta-feira, o terceiro dia de banhos do festival Kumbh Mela, que dura semanas.

leia também:  Preocupação com coronavírus dispara nos EUA, mostra pesquisa

* Reportagens adicionais de Anushree Fadnavis, Saurabh Sharma, Sumit Khanna e Rama Venkat

Internacional

Crescem apelos na Índia por lockdown nacional


As infecções e mortes por covid-19 na Índia ficaram próximas das altas diárias recordes nesta segunda-feira (10), aumentando os apelos para que o governo do primeiro-ministro, Narendra Modi, adote lockdown no segundo país mais populoso do mundo.

As 366.161 infecções novas e as 3.754 mortes relatadas pelo Ministério da Saúde ficaram um pouco abaixo de picos recentes, o que elevou os números da Índia para 22,66 milhões de casos e 246.116 mortes no momento em que os hospitais ficam sem oxigênio e leitos e os necrotérios e crematórios superlotam.

Especialistas dizem que as cifras reais da Índia podem ser muito maiores do que as relatadas.

O 1,47 milhão de exames de covid-19 feitos nesse domingo (9) representaram o menor número deste mês até agora, mostraram dados do Conselho Indiano de Pesquisa Médica estatal – a média diária dos primeiros oito dias de maio foi de 1,7 milhão.

O número de exames positivos não ficou clara de imediato.

Muitos estados impuseram lockdowns rígidos nos últimos meses, e outros adotaram restrições à circulação e fecharam cinemas, restaurantes, pubs e shopping centers.

Mas é cada vez maior a pressão para Modi anunciar um lockdown de âmbito nacional, como ele fez durante a primeira onda de infecções no ano passado.

leia também:  Flórida registra recorde de mais de 15 mil casos de covid-19 em um dia

O primeiro-ministro enfrenta críticas por ter permitido enormes aglomerações em um festival religioso e por realizar grandes comícios eleitorais durante os dois últimos meses, apesar da disparada de casos.

“Um erro de governança de proporções épicas e históricas”, disse Vipin Narang, professor de ciência política do Instituto de Tecnologia de Massachusetts dos Estados Unidos, no Twitter.

Sonia Gandhi, chefe do principal partido de oposição Congresso, culpou o governo por abdicar de sua responsabilidade, deixando as vacinações a cargo dos estados, informou a ANI, parceira da Reuters, no Twitter.

O Ministério da Saúde disse que a cidade está ficando sem vacinas, tendo só de três a quatro dias de suprimentos do imunizante da AstraZeneca, fabricado pelo Instituto Serum, da Índia, e batizado de Covishield, noticiou o canal de notícias NDTV.

Até hoje, a maior nação produtora de vacinas do mundo só havia imunizado 34,8 milhões de habitantes, ou cerca de 2,5% de sua população de aproximadamente 1,35 bilhão, mostram dados do governo.

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!

INFORMATIVO

Chat aberto
1
Precisa de nossa ajuda ?
Olá, nós do ES1 podemos te ajudar de alguma forma