conecte-se conosco


Saúde - ES1.com.br

Covid-19: em 24 horas, Brasil teve 25,6 mil novos casos e 125 mortes

Publicado em

© Tomaz Silva/Agência Brasil

As secretarias estaduais e municipais de Saúde registraram 25.609 novos casos de covid-19 em 24 horas em todo o país. De acordo com as secretarias, foram confirmadas também 125 mortes por complicações associadas à doença. Os dados estão na atualização do Ministério da Saúde divulgada nesta sexta-feira (13).

Com os novos dados, o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus durante a pandemia chegou a 30.664.739.

boletim epidemiológico 13.05.2022 boletim epidemiológico 13.05.2022

boletim epidemiológico 13.05.2022 – Ministério da Saúde

O número de casos de covid-19 em acompanhamento está em 288.221. O termo é usado para designar casos notificados nos últimos 14 dias que os pacientes não tiveram alta, nem resultaram em óbito.

Com os números de hoje, o total de mortes chegou a 664.780. Ainda há 3.194 mortes em investigação. As ocorrências envolvem casos em que o paciente faleceu, mas a investigação sobre a causa, se foi covid-19, ou não, ainda demanda exames e procedimentos complementares.

Até agora, 29.711.738 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a 97% dos infectados desde o início da pandemia.

leia também:  Cerveja, vinho ou gim? Nutri conta qual a melhor bebida alcoólica para a dieta

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, o estado que registra mais mortes por covid-19, até o momento, é São Paulo (168.617). Em seguida, aparecem o Rio de Janeiro (73.632), Minas Gerais (61.410), o Paraná (43.180) e o Rio Grande do Sul (39.375).

Os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são o Acre (2.002), o Amapá (2.132), Roraima (2.151), o Tocantins (4.156) e Sergipe (6.345).

Vacinação

Até esta sexta-feira (13), foram aplicadas 426.426.384 doses de vacinas contra a covid-19, sendo 176,3 milhões como primeira dose, 157,3 milhões, como segunda dose e 4,8 milhões como dose única. A dose de reforço foi aplicada em 81,8 milhões de pessoas e 2,4 milhões já receberam a segunda extra, ou quarta dose da vacina.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Saúde - ES1.com.br

Covid: ministério recomenda dose de reforço para adolescentes

Em nota divulgada na noite de hoje (27), o Ministério da Saúde ampliou para adolescentes, entre 12 e 17 anos, a recomendação para a dose de reforço da vacina contra covid-19. A dose de reforço deve ser aplicada quatro meses após a segunda dose, preferencialmente com a vacina da Pfizer, independentemente da dose aplicada anteriormente. Se houver indisponibilidade da vacina, a Coronavac pode ser usada.

A recomendação também vale para adolescentes gestantes e puérperas. Tanto o imunizante da Pfizer quanto a Coronavac, produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, são autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para essa faixa etária. No caso dos adolescentes imunocomprometidos, apenas a vacina da Pfizer deve ser utilizada.

Estudo

Em abril, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Minas alertou para a importância da dose de reforço em todas as pessoas. Uma pesquisa conduzida pela fundação mostrou o reestabelecimento da proteção após a aplicação da segunda dose.

Após a aplicação dessa dose, o nível de anticorpos presentes no organismo cai. Com a dose de reforço, a proteção é restabelecida. As análises mostraram que a chamada taxa de soropositividade passou de 98%, após 30 e 60 dias da aplicação da vacina, para 69%, no período que compreendeu entre 91 e 180 dias após a vacinação. Com a aplicação do reforço da Pfizer, esses índices foram restabelecidos, chegando a 100% de soropositividade 15 dias após a aplicação.

leia também:  Outubro Rosa: Secretaria de Saúde de Águia Branca faz viagem para prevenção ao câncer de mama

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

NOVO GIF SICOOB
Chat aberto
1
Precisa de nossa ajuda ?
Olá, nós do ES1 podemos te ajudar de alguma forma