conecte-se conosco


Saúde - ES1.com.br

Como evitar a intoxicação alimentar nas festas de fim de ano

Publicado em

Os grandes banquetes são as principais tradições das festas de Natal e Ano Novo. As ceias são ótimas oportunidades para reunir familiares e amigos em volta de uma mesa repleta de pratos deliciosos aguardados durante todo o ano. Porém, para garantir que as confraternizações não acabem com uma visita ao hospital é importante ter atenção redobrada com a conservação e manipulação dos alimentos para evitar as chamadas doenças transmitidas por alimentos.

A analista do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Juliene Borges, monitora o perfil das doenças transmitidas por alimentos no país e esclarece que, em geral, as doenças não são graves, mas é preciso atenção. “As doenças transmitidas por alimentos geralmente envolvem sintomas no trato intestinal por um período limitado e normalmente os sintomas desaparecem em pouco tempo. Mas, é importante entender que algumas bactérias, por exemplo, podem atingir outros órgãos, o que é muito perigoso”, esclarece.

Orientações gerais para cuidados com alimentos

A maioria das contaminações alimentares ocorre nos domicílios, como resultado de falhas higiênicas na manipulação e conservação dos alimentos. Juliene Borges esclarece que a prevenção é a melhor forma de evitar maiores complicações.

Pensando nas ceias de Natal e Ano Novo, ela explica que os cuidados devem começar ainda no supermercado. “Todas as pessoas que preparam ceias devem observar os alimentos desde a compra. É preciso ter atenção com qualidade dos alimentos, com o ambiente onde foi comprado, com as condições da embalagem e com a validade”, disse.

leia também:  Covid-19: aumento de casos não deve elevar número de óbitos

Por isso, ao preparar suas refeições em casa, é importante seguir algumas dicas simples para prevenir infecções:

Nas compras e na preparação

– O tempo máximo para armazenar os alimentos perecíveis após as compras é de até 2 horas. No transporte dos alimentos, evite deixá-los em locais quentes.

– Lave sempre as mãos com água e sabão antes de preparar ou comer um alimento.

– Sempre verifique a validade dos produtos e não utilize latas amassadas, estufadas, enferrujadas ou embalagens danificadas.

– Higienize o local e os utensílios antes de preparar qualquer alimento.

– Descongele os alimentos na geladeira ou no micro-ondas.

– Os alimentos descongelados devem ser mantidos sob refrigeração até o cozimento e consumo, não devendo ser recongelados. Deve-se evitar também comer carnes cruas ou malpassadas.

– Evite cozinhar se estiver doente.

– Esfregue bem as frutas e hortaliças ao lavá-las em água corrente. Em seguida mergulhe-as em hipoclorito de sódio 2,5% e depois enxague-as para consumo.

Durante o consumo:– Evite a contaminação cruzada: Não utilize os mesmos utensílios para manipular alimentos crus e cozidos.

– Não deixe a comida exposta na mesa ou no fogão se não for consumi-la imediatamente e guarde as sobras das preparações na geladeira logo depois da refeição

leia também:  Rio de Janeiro registra caso de raiva animal depois de 26 anos

– Consuma apenas leite pasteurizado ou fervido e os seus derivados que tenham passado pelo mesmo processo.

– Mantenha os alimentos prontos para o consumo em temperaturas seguras. Se não for consumi-los imediatamente, deixe-os refrigerados (abaixo de 5°C) ou aquecidos (acima de 60°C).

Cuidados com a alimentação fora de casa

Além disso, Juliene explica que cuidados também precisam ser tomados ao sair para festas em outros ambientes. “Para pessoas que forem confraternizar fora de casa, é importante observar a higiene do local, a temperatura dos alimentos (se estão aquecidos ou refrigerados), os cuidados dos manipuladores com a comida e a disposição dos alimentos (se não estão amontoados, por exemplo) ”, disse.

Nesses casos, é importante observar que se você adoecer após o consumo de água ou alimento, pode ser que outras pessoas também tenham adoecido pelo mesmo motivo. Por isso, ao procurar o serviço de saúde, sempre informe onde você realizou suas últimas refeições e se outras pessoas também relataram sintomas semelhantes. A contribuição é muito importante para que a equipe de saúde possa investigar um possível surto de doença transmitida por água ou alimento.

Folha Vitória

Saúde - ES1.com.br

Saúde e Anvisa atualizam regras para doação de sangue durante pandemia


O Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) atualizaram as regras para doação de sangue em função da pandemia de covid-19. De acordo com nota técnica divulgada ontem (25), quem foi infectado pelo vírus fica inapto para doação por dez dias após se recuperar da doença. Anteriormente, o prazo era de 30 dias. 

O período de inaptidão de dez dias vale para quem apresentou sintomas de covid, incluindo casos leves e moderados. No caso de assintomáticos, o mesmo prazo deve ser observado, mas em relação a data de coleta do exame. 

A nota também trata de pessoas que tiveram contato com indivíduos que testaram positivo. Nesse caso, a inaptidão é de sete dias após o último contato. 

O ministério e a Anvisa orientam os hemocentros a seguirem medidas de proteção para evitar contaminação durante a pandemia. É recomendada a higienização de superfícies e dos instrumentos, uso de antissépticos, além da manutenção do distanciamento entre os doadores. 

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Saúde

leia também:  Covid-19: DF anuncia vacinação de professores de creches 
Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!
Chat aberto
1
Precisa de nossa ajuda ?
Olá, nós do ES1 podemos te ajudar de alguma forma