conecte-se conosco


Cidades - ES1.com.br

Clube Vale do Sol está praticamente abandonado em Barra de São Francisco

Publicado em

O Vale do Sol, clube social mais tradicional e antigo de Barra de São Francisco, fundado na década de 70, está praticamente abandonado. O clube fica no bairro Nova Barra, antiga Vaquejada e foi construído quando o local ainda era apenas formado por propriedades rurais.

O clube foi fundado por um grupo de amigos e empresários da cidade, inclusive o deputado estadual Enivaldo dos Anjos. Quando o clube começou a funcionar, com uma imensa piscina, campo de futebol society, quadra de esportes, sauna, bar e até campo de bocha, a sociedade participava ativamente.

Nos últimos anos o clube entrou em decadência devido à grande oferta de áreas de lazer na cidade, como os clubes da AABB e do Banestes, pesque-pague e outros. O último presidente do clube, Edval Carnielli, conta que, devido à falta de recursos, já que não há mais contribuição dos sócios, o local está praticamente fechado.

“Nós tentamos fazer o clube voltar a ser referência, mas hoje isso é quase impossível devido a uma série de problemas judiciais. Eu e minha esposa, Luceli, por exemplo, fomos condenados a doação de cestas básicas porque precisamos mandar cortar algumas árvores dentro do clube”, relata ele.

leia também:  Ao lado de Paulo Foletto, prefeito Davi e Sônia Mielke iniciam entrega de cestas de alimentos em Vila Valério

Ainda de acordo com Carnielli, no final do ano passado foi feita uma assembleia e eleito um novo presidente para o clube, o médico José Cipriano, mais conhecido como Dr. Zezinho. “Mas ele disse que só assumiria o cargo até que fossem resolver as pendências judiciais”, afirma.

Atualmente, a Ong Sentinela Francisquense tem feito um bazar para arrecadar recursos e pagar o salário do funcionário que toma conta do local. “Sem essa campanha não teríamos como pagar o funcionário e o local correria risco até de ser invadido”, sustenta Carnielli.

camera_enhance Paulinho Caipora e o deputado Enivaldo durante bingo no clube (Crédito: Editora Hoje)

O ex-vereador e atleta Paulo César Andrade, o Paulinho Caipora foi diretor de Esportes durante um período e afirma que o local é muito bom para estar na situação em que está. “Tem um campo de futebol society ótimo e vários outros equipamentos. Eu penso que o local precisa ser reativado, se tornar de novo um clube acessível à comunidade”, afirma.

leia também:  Ações de recuperação de estradas rurais são iniciadas em Governador Lindenberg

 

Local deverá abrigar centro de convivência para terceira idade

Desde 2014 a Ong Sentinela Francisquense vem tentando construir um centro de convivência para a terceira idade em uma área doada pelo clube. Naquele ano, inclusive, foi realizado um bingo de uma moto CG 125, doada pelo deputado estadual Enivaldo dos Anjos para arrecadar recursos para a obra.

De lá para cá, de acordo com Edval Carnielli, a situação financeira do país piorou e, devido a desentendimentos de uma pequena parte dos sócios do clube, a obra não teve andamento. Nós tínhamos todo o concreto para a obra doado por empresas do setor de granito, na época. Mas agora, com a crise atual, não sei se teremos essa doação”, lamenta Edval.

 


camera_enhance (Crédito: Editora Hoje)


Editora Hoje

Cidades - ES1.com.br

Estação de tratamento de esgoto inicia operações em Colatina

Obra realizada com recursos compensatórios foi inaugurada no início do mês de junho

As operações da primeira etapa da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do distrito de Barbados, em Colatina, no Espírito Santo, foram iniciadas. A parte da ETE que compreende o tratamento preliminar foi concluída com recursos compensatórios do Programa de Saneamento da Fundação Renova, no valor de cerca de R$2 milhões.

Uma segunda etapa das obras está prevista para complementação do tratamento secundário na ETE, com a implantação de decantadores finais, que também será financiada com recursos no valor de cerca de R$11,3 milhões. O projeto de saneamento beneficiará mais de 125 mil habitantes na região. Com o funcionamento da ETE, o esgoto doméstico do município passará por processos de tratamento antes de retornar ao meio ambiente.

Em Colatina, também está em andamento a obra para a implantação da Central de Tratamento de Resíduos (CTR) pelo Condoeste (Consórcio Público para o Tratamento e Destinação Final Adequada de Resíduos Sólidos da Região Doce Oeste do Estado do Espírito Santo), que deverá beneficiar cerca de 500 mil pessoas.

leia também:  Ao lado de Paulo Foletto, prefeito Davi e Sônia Mielke iniciam entrega de cestas de alimentos em Vila Valério

Os investimentos em coleta e tratamento adequado de esgoto no município trarão melhorias significativas para a qualidade de vida da população e também da água na bacia do rio Doce.

Recursos compensatórios

A Fundação Renova irá disponibilizar, para obras de esgotamento sanitário e resíduos sólidos, cerca de R$170 milhões em recursos compensatórios para quatro municípios capixabas, sendo Linhares, Colatina, Baixo Guandu e Marilândia; e para Condoeste, composto por 22 municípios do Espírito Santo.

Por meio da contratação do Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes), estão sendo custeadas ações de esgotamento sanitário e destinação de resíduos sólidos urbanos com vistas à melhoria da qualidade da água do rio Doce. O programa conta ainda com atividades complementares de apoio técnico e capacitação dos agentes municipais.

Até março deste ano, R$11,6 milhões foram repassados aos municípios de Baixo Guandu, Colatina e Linhares, e ao Condoeste. As parcelas são liberadas mediante análise, aprovação dos projetos e vistorias das obras, realizadas pelo banco.

Em Baixo Guandu e Marilândia, estão em elaboração os projetos de engenharia dos sistemas de esgotamento sanitário da sede municipal.

leia também:  Prefeito David e vice-prefeita Sônia Mielke recebem equipe do Qualificar ES para reunião

Revitalização do rio Doce

A coleta, o tratamento do esgoto e a destinação adequada dos resíduos sólidos são considerados fundamentais para a revitalização do rio Doce. O Comitê da Bacia Hidrográfica (CBH–Doce) aponta que 80% do esgoto doméstico gerado pelos municípios ao longo da bacia seguem diretamente para o rio, sem nenhum tratamento, poluindo os cursos d’água. Ao mesmo tempo, grande parte dos resíduos sólidos urbanos coletados são dispostos em lixões, ocasionando vários impactos ambientais, como proliferação de vetores, poluição visual, contaminação do solo e dos recursos hídricos, dentre outros.

A expectativa da Fundação Renova é gerar um impacto ambiental positivo para toda a bacia, com a redução da carga orgânica poluidora lançada diretamente nos recursos hídricos. Nesse sentido, os projetos de saneamento irão promover a melhoria da qualidade das águas da Bacia do Rio Doce e consequente melhoria na qualidade de vida e saúde da população.

Saiba mais ações voltadas ao tratamento e análise da água: https://www.fundacaorenova.org/agua/

Fonte: Fundação Renova

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!