conecte-se conosco


Geral - ES1.com.br

China alcança antes de 2020 objetivo de reduzir emissões de carbono

Publicado em

A China já alcançou o objetivo de reduzir as emissões de carbono previsto para 2020, anunciaram nesta terça-feira, 27, as autoridades do país, que atribuíram o sucesso em grante parte ao pioneiro sistema de comércio de emissões iniciado em 2011.
O representante especial da China para mudança climática, Xie Zenhua, citado pela agência estatal Xinhua, afirmou que no final de 2017 o país asiático tinha reduzido em 46% as emissões de carbono por unidade do Produto Interno Bruto (PIB) com relação a 2005, alcançando antes do previsto o objetivo fixado entre 40% e 45% para 2020.
Xie afirmou que isso foi possível graças ao sistema de comércio de emissões de carbono, iniciado em 2011 pelas autoridades em sete cidades e províncias, como Pequim e Xangai.
De acordo com o esquema implementado, as empresas que produzem mais de sua cota permitida de emissões poderão comprar novas cotas não utilizadas no mercado, daquelas firmas que poluem menos.
Segundo assegurou, no final de 2017 tinham sido completadas transações no valor total de 200 milhões de toneladas de cotas de emissões de carbono por meio dessa plataforma, com faturamento de 4,7 bilhões de iuanes (US$ 748 bilhões).
Xie destacou o sucesso de uma das saídas que a China propôs para tentar controlar seus índices de poluição, além de reduzir o consumo de combustíveis fósseis e aumentar o de energias limpas.
A China, conforme o Acordo de Paris, tem que reduzir as emissões de carbono por unidade do PIB entre 60% e 65% até 2030, com relação aos seus níveis de 2005.
No final do ano passado, o governo chinês apresentou o plano para estender esse mecanismo de comércio de emissões a todo o país.

leia também:  Seag lança 1º chamada para composição de banco de projetos de pesquisa

Agência Brasil

Geral - ES1.com.br

Bacia do Rio Santa Maria recebe mais de R$35 milhões para restauração florestal

Investimento contempla mais de mil hectares em três municípios do Espírito Santo, outros R$135 milhões foram destinados a Baixo Guandu

A bacia do rio Santa Maria do Doce receberá mais de R$35 milhões para ações de restauração florestal em cerca de mil hectares nos municípios capixabas de Colatina, São Roque do Canaã e Santa Teresa. O investimento previsto, via editais, é destinado à contratação de serviços técnicos, científicos e operacionais.

O diretor-presidente da Fundação Renova, Andre de Freitas, assinou no dia 2 de junho, em Colatina, o Termo de Compromisso que garante o repasse dos recursos. O evento contou com representantes dos Comitês das Bacias Hidrográficas do Rio Santa Maria do Doce e do Rio Doce e do poder público estadual e municipal.

Total de investimentos

Ao todo, a Fundação Renova vai investir, por meio de editais, cerca de R$540 milhões para promover a restauração florestal de, aproximadamente, 16 mil hectares.

Segundo Andre de Freitas, cerca de R$106 milhões serão destinados à recuperação de 420 nascentes e 2,8 mil hectares que, além da bacia do rio Santa Maria do Doce (ES), incluem as bacias do rio Piranga (MG) e Corrente Grande (MG). “Em maio, firmamos o investimento de R$135 milhões na restauração florestal em 5 mil hectares da bacia do rio Guandu, no Espírito Santo. Agora, anunciamos esse repasse que beneficiará diretamente mais três municípios capixabas”, afirma.

leia também:  Seag lança 1º chamada para composição de banco de projetos de pesquisa

Esses valores fazem parte do montante de R$1,7 bilhão, que será empregado no cumprimento de parte da meta socioambiental de recuperar 40 mil hectares de Áreas de Preservação Permanente (APPs) e de Recarga Hídrica (ARH), e de 5 mil nascentes ao longo de dez anos.

Editais

A Fundação Renova mantém contratos com 12 parceiros para restauração florestal de 15.500 hectares. Ao oferecer serviços técnicos, científicos e operacionais, as empresas ou consórcios contratados se tornam responsáveis pela execução das ações estabelecidas pelo Programa de Recuperação de APPs e Áreas de Recarga da Bacia Hidrográfica do Rio Doce e Programa de Recuperação de Nascentes.

Produtores rurais

Além dos editais de contratação de fornecedores, a Fundação Renova mantém um edital permanente para produtores e proprietários rurais de 66 municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo. O Edital de Adesão de Produtores Rurais aos Programas de Restauração Florestal é voltado para quem deseja colaborar com o processo de restauração florestal em APPs, ARHs e nascentes em suas propriedades. Até maio mais de 1.600 inscrições haviam sido feitas, totalizando uma área de aproximadamente 23 mil hectares autodeclarados.

leia também:  Prazo para quitar entrada do parcelamento do Simples acaba quarta-feira, 31

Segundo o coordenador de Restauração Florestal, José Almir Jacomelli, a Fundação Renova fornece os insumos necessários para o cercamento das áreas com projetos de restauração florestal, manutenção, assistência técnica operacional e apoio na inscrição da propriedade no Cadastro Ambiental Rural (CAR). “O produtor rural fica responsável por manter a área protegida, podendo executar o cercamento e mantê-lo por um prazo de cinco anos, bem como optar ou não pela execução das práticas de restauração florestal”, destaca.

Fonte: Fundação Renova

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

novo cartaz apae2