conecte-se conosco


Economia

Carta de Conjuntura do Ipea teme piora fiscal por causa da covid-19

Publicado em


.

A pandemia do novo coronavírus interrompeu temporariamente a trajetória de consolidação fiscal que o Brasil vinha seguindo. E a expectativa é que, por causa da piora fiscal causada pela crise sanitária da covid-19, a dívida bruta do governo geral (DBGG) em proporção do PIB (Produto Inerno Bruto) aumente de 75,8%, no fim de 2019, para 93,7% no fim deste ano, diz a Carta de Conjuntura do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) do segundo trimestre de 202. O documento foi divulgado hoje (30).

A Visão Geral da Conjuntura, como é chamado o documento do Ipea, destaca que a prioridade na pandemia passou a ser a proteção da vida e da saúde e a preservação de empregos, da renda e das empresas. Com isso, o governo precisou adotar medidas emergenciais de apoio à saúde e à economia, com custo fiscal significativo, tanto pelo lado da despesa quanto pelo da receita. Segundo a carta, apesar da expectativa de que tais medidas não se estendam após este ano, a crise da covid-19 adiou a solução dos desafios fiscais do país, que sairá desse período com dívida pública muito mais alta.

“Vai ser preciso rearranjar as políticas sociais para ver o que está funcionando e tornar mais eficiente esse tipo de gastos. Não dá para continuar gastando com o auxílio, como está sendo feito agora, porque tem um gasto elevado por mês, e não pode continuar por um longo período. A questão terá que ser reestudada apara otimizar o gasto”, disse o diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, José Ronaldo Souza Jr.

Em entrevista à Agência Brasil, o economista destacou que, mesmo que o teto de gastos seja mantido em um cenário modesto de crescimento econômico, ainda haverá grande aumento da dívida pública, que só terá a trajetória alterada no fim da década. “Mantendo o controle, só vamos começar a ter queda do endividamento público no fim da década, considerando venda de estatais, de imóveis. E, ainda com o teto dos gastos, vai demorar um tempo para ver a reversão da trajetória da dívida pública. Se gastarmos mais do que o teto, aí vai, realmente, ser difícil ter a convergência da dívida pública”, afirmou.

Retomada econômica

A Carta de Conjuntura ressalta a queda de 1,5% do PIB no primeiro trimestre em relação ao três meses anteriores, e estima que, no segundo trimestre, o recuo pode ficar em torno de 10%, com o aprofundamento das medidas de distanciamento social em resposta à pandemia,

leia também:  Quarentena poderá aumentar consumo residencial de água e energia

Porém, o economista ponderou que, com a hipótese de flexibilização gradual das restrições à mobilidade e ao funcionamento das atividades econômicas, que começou em junho, é possível projetar uma recuperação gradual do PIB no terceiro e quarto trimestres.

A economia brasileira, como outras ao redor do mundo, sofreu impacto relevante da pandemia da covid-19, e os efeitos foram notados a partir do fim de março e ao longo de abril. Em maio, vários indicadores apontaram no sentido de volta do crescimento. Segundo Souza Jr, a indústria, o comércio e os serviços já mostravam sinais de retomada em maio e em junho, embora com níveis abaixo dos anteriores à crise e, principalmente, se a comparação for feita com o ano passado.

Conforme a Carta de Conjuntura, na indústria, indicadores preliminares mostram retomada da produção em setores como o automobilístico, de vestuário, máquinas e equipamentos, informática e eletrônicos, com início de reversão da queda forte de abril. Um dos indicadores da retomada é o consumo de energia. “Observa-se melhora na produção de veículos, que teve queda expressiva e praticamente parou em abril e está tendo recuperação. As fábricas estão reabrindo e começando a produzir. A indústria metalúrgica continua bem e, aparentemente, foi uma das que menos sofreram com a crise”, disse o economista.

Em movimento contrário, na indústria de alimentos, que cresceu 3,3% em abril em relação a março, enquanto havia retração generalizada dos demais segmentos da indústria de transformação, o quadro mudou em maio e houve queda 1,3%. “Todos os setores que tinham sofrido queda muito forte estão tendo alguma recuperação, exceto os mais ligados ao turismo, que ainda estão em forte queda, mas até esses têm uma melhora marginal.”

O economista acrescentou que os bens de consumo duráveis, como móveis e eletrodomésticos, e o material de construção têm sido destaque na recuperação. Para ele, as vendas pela internet favoreceram esse resultado. “Está havendo alta de demanda bastante significativa de acordo com alguns indicadores que acompanhamos. Móveis e eletrodomésticos são para atender o consumo dentro de casa e, como as pessoas estão ficando mais em casa, faz sentido essa melhora”, afirmou. O setor de vestuário, que perdeu vendas no começo da pandemia, continua em nível baixo, mas já mostra sinais de melhora.

leia também:  ANP remarca leilão de biodiesel suspenso por causa da pandemia

Auxílio emergencial

Na avaliação do Ipea, o auxílio emergencial também é um fator importante na recuperação, porque parece ter coberto parcela substancial da renda dos trabalhadores informais e em condição de vulnerabilidade.

“O auxílio emergencial foi em média de R$ 846 e equivaleu a 44,6% do rendimento médio dos ocupados no mercado de trabalho e a 77,5% do rendimento médio dos trabalhadores por conta própria, chegando a ser superior em 21% ao rendimento médio do trabalhador doméstico formal ou informal. É um valor bastante expressivo e tem grande impacto, especialmente no consumo de alimentos voltados para a população de renda mais baixa”, observou Souza Jr.

Flexibilização

O economista disse que, se as medidas de flexibilização continuarem, a tendência é que a atividade econômica permaneça na trajetória de recuperação nos últimos meses do primeiro semestre para chegar a um patamar mais próximo do normal. “Tivemos atividade econômica extremamente baixa para qualquer padrão que se possa levar em consideração. Agora, tende a ter uma melhora tanto no terceiro, quanto no quarto trimestre. Serão trimestres de recuperação, que vão gerar taxas de crescimento elevadas, mas em função de taxas de comparação muito baixas.” Ele ressaltou que isso não quer dizer que serão  trimestres com taxas excepcionais.

“Turismo, viagens, hotelaria, restaurantes são setores que têm dificuldade um pouco maior para retomar. Mesmo com a redução das medidas de distanciamento, esses setores ainda têm impacto bastante grande, que só vai diminuir ao longo do ano”.

Demanda

O documento do Ipea menciona ainda a expectativa de retomada gradual da demanda, aliada à capacidade ociosa presente na maioria dos setores produtivos e à redução dos custos de mão de obra e aluguéis. Isso deve apontar para uma trajetória “bem comportada para os preços dos serviços e bens livres”, disse Souza Jr.

Segundo ele, a demanda deve aumentar como consequência da retomada das atividades e da renda, com a volta dos empregados de setores que estavam parados, com salários suspensos ou com redução de ganhos.

Edição: Nádia Franco

Economia

Indústria de chocolate mantém otimismo, apesar da pandemia


.

Como em todos os demais setores da economia, a pandemia do novo coronavírus causou impacto à indústria de chocolates no Brasil. A produção nacional de chocolates no ano passado, incluindo achocolatado em pó, atingiu 756 mil toneladas, com queda de 3,1% sobre 2018 (761 mil toneladas). Os números do primeiro trimestre de 2020, entretanto, ainda livres dos efeitos da covid-19, sinalizavam uma recuperação, com produção de 117,6 mil toneladas, alta de 2,84% em comparação ao mesmo periodo do ano passado (120,9 mil toneladas).

Apesar do impacto negativo da pandemia, o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab), Ubiracy Fonseca, disse à Agência Brasil que há muitos motivos para se festejar nesta terça-feira (7), Dia Mundial do Chocolate. O Brasil é um dos maiores produtores de chocolate do mundo e exporta para 130 países. “É um dia importante para o setor”.

Segundo Fonseca, as empresas produtoras de chocolate procuraram se adaptar rapidamente à nova situação, com a adoção de canais online de vendas, procurando usar o sistema de delivery (entrega direta ao consumidor). Além disso, buscaram firmar parcerias para que o produto pudesse chegar nos pontos de venda da melhor forma possível. “A situação vai melhorar. Estamos otimistas”, disse.

Supermercados

Com o fechamento dos shoppings, a estratégia do setor foi se aliar aos supermercados que continuaram abertos, instalando quiosques para manter as vendas. Para a Páscoa, especialmente, a Abicab trabalhou em parceria com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), por meio da campanha “Vai ter Páscoa”, com mobilização nas redes sociais. “E estendemos a comercialização de ovos de Páscoa do dia 12 de abril até o fim daquele mês, para possibilitar aos consumidores, de uma forma geral, ter acesso aos ovos de chocolate”.

O presidente da Abicab explicou que, com isso, as vendas do período, que normalmente se encerram no dia 12 de abril, continuaram até o início de maio e isso amenizou a condição de isolamento social, gerada pela pandemia para evitar a disseminação do vírus. Os supermercados se consolidaram como principal meio de venda para a indústria de chocolate.

leia também:  Netflix anuncia aumento no preço de assinatura no Brasil

Ubiracy Fonseca afirmou que o chocolate, que tem grande aceitação entre os brasileiros de todas as idades, é um produto para todas as horas. Como as pessoas passaram a ficar muito tempo em casa, em função do distanciamento social, ele disse que o consumo até aumentou. “A pessoa procura alguma coisa que vá satisfazê-la. O autopresente”, definiu.

Ele destacou que embora a pandemia tenha causado impacto no setor, a indústria conseguiu manter os empregos e seguiu produzindo, colocou os funcionários dos escritórios trabalhando em casa e fez ajustes no que se refere às férias dos trabalhadores.

Expectativa

Os números relativos ao segundo trimestre deste ano ainda estão sendo levantados. Ubiracy Fonseca acredita que a partir do terceiro e quarto trimestres de 2020, haverá condição de comprovar aumento do consumo, uma vez que a demanda está reprimida. “Nós estamos otimistas de que a produção vai continuar se recuperando, de que vamos ter melhores resultados neste terceiro trimestre e, principalmente, no quarto trimestre, quando a situação da pandemia estiver mais sob controle”.

As empresas estão fazendo embalagens diferenciadas e ajustando seus canais de distribuição, de venda e marketing. Fonseca admitiu que embora o Brasil seja o quinto maior país em volume de vendas de chocolate no varejo no mundo, de acordo com o Euromonitor, tendo faturado no ano passado R$ 14 bilhões, ainda tem muito a crescer no que se refere ao consumo per capita, isto é, por habitante, que em 2019 somou 2,6 quilos por pessoa. “É um consumo pequeno em relação a outros países. Então, tem muita chance de crescimento”. A média de consumo na Europa é de 8 quilos per capita anualmente, casos da Alemanha e Bélgica, por exemplo.

Fonseca citou dois pontos que favorecem o Brasil diante de outros países. O primeiro é que o Brasil tem as principais matérias-primas do chocolate, que são cacau, leite e açúcar. O segundo é que as grandes indústrias mundiais estão instaladas no território nacional, produzindo aqui e empregando mão de obra local.

leia também:  IBGE: 33,6% das empresas brasileiras são inovadoras

Atualmente, 70 empresas estão associadas à Abicab, incluindo também produtores de balas e amendoim. Dessas, 25 são produtoras de chocolates. A Abicab representa 92% do mercado de chocolate do país, 93% do mercado de balas e 62% do mercado de amendoim. A indústria brasileira de chocolate emprega cerca de 24 mil pessoas de forma direta.

Paixão por chocolate

Chocólatra assumida, a aposentada Maria Alice de Ângelo Ribeiro, moradora de Arraial do Cabo, na Região dos Lagos, disse à Agência Brasil que prefere chocolate meio amargo. “Sinto um calorzinho na garganta, uma vontade de degustar. O chocolate me dá muito prazer, uma grande satisfação e alegria. Melhora meu humor, dá sensação de bem-estar. Chocolate é muito bom!”, afirmou.

A estudante de física Ighia Gandra Linares se referiu ao personagem Harry Potter, herói de uma série de sete romances de fantasia escrita pela autora britânica J. K. Rowling, para explicar sua paixão por chocolate. No filme Prisioneiro de Askaban, o jovem bruxo Potter é assombrado por seres das trevas. Ao retornar para a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, Potter é aconselhado por seu professor de Defesa contra as Artes das Trevas a comer chocolate, para se recuperar bem. Para Ighia, chocolate é conectado à felicidade. “É conectado com toda a sensação de você estar bem. Chocolate tem grande poder”.

Para a assistente social Thaís Lisboa Soares, chocolate faz bem à alma. Ela come chocolate todo dia e, se não comer, tem dor de cabeça. Quando adolescente, Thaís tinha muita enxaqueca. Procurou um médico e ele lhe disse que parte da dor de cabeça ela sentia quando não consumia chocolate. “Por isso, como todo dia um pouquinho de chocolate. É uma beleza e faz bem para a alma”.

Edição: Graça Adjuto

Visualizar

MAIS LIDAS

error: O conteúdo está protegido !!
Chat aberto
1
Precisa de nossa ajuda ?
Olá, nós do ES1 podemos te ajudar de alguma forma
Powered by