conecte-se conosco


Economia - ES1.com.br

ANP prevê investimentos de R$ 3,3 bilhões na fase de exploração

Publicado em

© Saulo Cruz/MME

Os investimentos previstos pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) na fase de exploração de petróleo e gás, envolvendo atividades de blocos sob contrato, este ano, totalizam R$ 3,366 bilhões, dos quais R$ 2,625 bilhões serão investidos em 30 poços exploratórios, R$ 184 milhões em levantamentos geofísicos e R$ 557 milhões em atividades acessórias.

Os dados constam da segunda edição do Relatório Anual de Exploração 2021, divulgado hoje (22) pelo diretor da ANP Fernando Moura, durante o 2º Seminário Instrumentos de Divulgação de Informações sobre Exploração de Petróleo e Gás Natural.

O coordenador de Regulação da Superintendência de Exploração (SEP) da ANP, Edson Montez, avaliou ser factível a previsão de atingir este ano 30 poços exploratórios. De janeiro até junho, já há 15 poços perfurados no país, informou Montez. “A gente está pronto para ultrapassar o desempenho que teve em 2020, quando foram perfurados 16 poços”, disse.

Os 22 poços exploratórios perfurados em 2021 representam aumento de 38% em relação a 2020.

Fernando Moura destacou que a divulgação do segundo Relatório Anual de Exploração é uma importante fonte de informações e de análises sobre o desempenho de exploração do país, podendo contribuir para o aprofundamento da avaliação e compreensão sobre os rumos do segmento, auxiliando ainda no planejamento e decisões futuras sobre os investimentos a serem realizados.

leia também:  IR 2021: Angela Assessoria Contábil de Vila Valério alerta para o fim do prazo de entrega da declaração

De acordo com o diretor, o relatório, bem como o Painel Dinâmico da Fase de Exploração, atualizado em abril, constituem ferramentas que agregam valor às informações fornecidas à sociedade, bem como conhecimento.

Comercialidade

O Relatório Anual de Exploração 2021 incorpora a série histórica iniciada em 2016. Nesse período, foram efetivadas 27 declarações de comercialidade, etapa que constitui o ápice da fase de exploração, das quais 19 em bacias terrestres e oito em bacias marítimas.

A analista de Infraestrutura da SEP, Lydia Hughenin Queiroz, disse que, em 2021, foram efetivadas três declarações de comercialidade, sendo duas na Bacia do Recôncavo e uma na Bacia do Parnaíba, havendo outras nove declarações não efetivadas, sob análise da ANP, o que soma 36 declarações de comercialidade, das quais 20 em bacias terrestres e 16 em bacias marítimas.

No final de 2021, havia no Brasil 39 empresas operadoras, sendo a Petrobras a companhia com maior quantitativo de blocos sob contrato (68) e a única a atuar em ambientes marítimo e terrestre. Do total de 246 blocos sob contrato na fase de exploração em bacias sedimentares, 57 se achavam em situação de suspensão no final de 2021.

leia também:  Sicoob ES reduz taxa de juros e disponibiliza mais de R$ 3 bilhões para prorrogação e renegociação de dívidas

A especialista em Regulação da SEP, Rosana de Rezende Andrade, observou que a partir de 2018, quando houve registro de 334 blocos sob contrato assinados, ocorreu tendência declinante de contratos, influenciada em 2020 pela pandemia do novo coronavírus. Dos 246 blocos sob contrato no final de 2021, 138 eram em marítimos e 108 terrestres.

No final do ano passado, a área exploratória sob contrato atingia 188 mil quilômetros quadrados (km²), correspondendo a 2,6% das bacias sedimentares brasileiras, aponta o relatório. O Painel Dinâmico da Fase de Exploração, atualizado pela ANP em abril, incluindo dados históricos a partir de 1998, informa que existem, atualmente, 240 blocos sob contrato, em área de 192,6 mil km².

O Relatório Anual de Exploração e o Painel Dinâmico da Fase de Exploração podem ser acessado na página da ANP.

Edição: Fernando Fraga

Economia - ES1.com.br

BB e agência francesa liberam 100 mi de euros para energia renovável

Os desenvolvedores de energia renovável ganharão um incentivo para terem acesso a recursos. O Banco do Brasil (BB) e a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) assinaram, nesta semana, um contrato para viabilizar a liberação de 100 milhões de euros em financiamentos para projetos no setor.

Segundo o Banco do Brasil, a parceria ajuda no cumprimento de metas da Agenda 2030, plano de ação global com 17 objetivos de desenvolvimento sustentável e 169 metas de erradicação da pobreza.

O acordo permitirá que o BB expanda a oferta de empréstimo para projetos de energia renovável para as pessoas físicas e para as pessoas jurídicas na categoria varejo pelos próximos dez anos. A AFD também destinou 300 mil euros para financiar projetos de cooperação técnica.

O Banco do Brasil calcula que os 100 milhões de euros, que equivalem a R$ 555 milhões no câmbio atual, gere 3,1 mil empregos. Esse investimento, informa a instituição financeira, evitará a emissão de cerca de 113 mil toneladas de gás carbônico por ano.

Atualmente, o BB aplica cerca de R$ 300 bilhões em projetos de sustentabilidade ambiental e social. Em relação ao setor de energia renovável, o banco destina cerca de R$ 10 bilhões para essa finalidade e tem como meta emprestar R$ 15 bilhões até 2025.

leia também:  Após um ano da reforma trabalhista, ações na Justiça do Trabalho caem 40% no ES

Ampliação

A instituição pretende ampliar as parcerias com a AFD nos próximos anos. Em maio, durante o congresso Mercado Global de Carbono, o BB e a AFD firmaram um memorando de entendimentos que prevê novas oportunidades de financiamentos a estados e municípios.

As linhas de crédito para os governos locais se concentrarão em projetos de infraestrutura de saneamento, incluindo o tratamento de esgoto e resíduos sólidos, energia renovável e eficiência energética, transporte limpo, mobilidade urbana, transição da infraestrutura para cidades inteligentes e adaptação a mudanças climáticas, saúde e educação.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Economia

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!