conecte-se conosco


Saúde - ES1.com.br

A origem da ansiedade pode estar no tamanho da cintura, diz estudo

Publicado em

A ansiedade é um dos transtornos mentais mais comuns, principalmente entre mulheres – as mais afetadas pelo problemas. Apesar de poder ser causada pro diversos fatores, um novo estudo sugere que a quantidade de gordura abdominal de uma mulher pode influenciar as chances dela desenvolver o transtorno. Os resultados da pesquisa foram publicados na quarta-feira, 07, no jornal científico da Sociedade Americana para Menopausa (NAMS, na sigla em inglês).
O estudo, que analisou dados de mais de 5.580 mulheres de meia-idade (o que significa que tinham uma média de idade de 49.7 anos) latino-americanas, analisou a relação de causa e efeito para determinar se uma maior gordura abdominal (definida pela relação cintura-altura) poderia aumentar as chances de uma mulher desenvolver ansiedade.
Apesar de essa não ser a primeira vez que essa relação é estudada, a pesquisa é a primeira deste tipo a usar relação cintura-altura como fator específico para o transtorno. A relação cintura-altura se mostrou como um indicador que melhor avalia riscos de doenças cardiovasculares.
No artigo sobre a associação entre relação cintura-altura e ansiedade, há a informação de que 58% da população estudada estava em uma fase pós-menopausa e que 61, 3% reportaram ter tido ansiedade.
Os pesquisadores descobriram que aquelas mulheres que tinham maior tamanho da cintura em comparação com a altura (com terços médio e superior de relações cintura-altura) eram significativamente mais propensas a ter ansiedade. E aquelas com terço superior eram mais propensas a manifestarem sinais de ansiedade em comparação com mulheres nos dois terços abaixo.
A pesquisa mostrou também um aumento na frequência da ansiedade em mulheres durante a meia idade, provavelmente como um resultado da queda nos níveis de estrogênio, que tem uma função de neuroprotetor.
“Mudanças hormonais podem estar envolvidas no desenvolvimento da ansiedade e do aumento da circunferência abdominal por conta de sua atuação no cérebro, assim como na distribuição de gordura. Este estudo traz insights valiosos para os prestadores de cuidados de saúde voltados para mulheres de meia-idade porque aponta que a relação cintura-altura pode ser um bom marcador para avaliar ansiedade em pacientes,” diz JoAnn Pinkerton, diretor-executivo da NAMS.
O transtorno da ansiedade é uma preocupação porque é associada a problemas cardíacos, abuso de drogas, além de outras questões de saúde que comprometem a qualidade de vida de quem sofre do transtorno.

leia também:  Pílula promete acabar com a ressaca. Veja como funciona!

O Globo

Saúde - ES1.com.br

Covid-19: Brasil registra 122 mortes e 45,5 mil casos em 24 horas

O Brasil registrou, desde o início da pandemia de covid-19, 672.033 mortes pela doença, informa o boletim epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (4) pelo Ministério da Saúde. O número total de casos confirmados da doença está em 32.535.923.

Em 24 horas, foram registrados 45.501 casos. No mesmo período, foram confirmadas 122 mortes de vítimas do vírus.

Ainda segundo o boletim, 30.967.114 pessoas se recuperaram da doença e 896.776 casos estão em acompanhamento. No levantamento de hoje, não consta atualização dos dados de Mato Grosso do Sul.

Os números em geral são menores aos domingos, segundas-feiras ou nos dias seguintes aos feriados pot causa da redução de equipes que alimentam os dados sobre a doença. Às terças-feiras e dois dias depois dos feriados, em geral, há mais registros diários pelo acúmulo de dados atualizado.

Boletim Epidemiológico Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico – 04/07/2022/Divulgação/ Ministério da Saúde

Estados

De acordo com os dados disponíveis, São Paulo lidera o número de casos, com 5,74 milhões, seguido por Minas Gerais (3,65 milhões) e Paraná (2,63 milhões).

leia também:  Obesidade aumenta 60% nos últimos dez anos

O menor número de casos é registrado no Acre (127,1 mil). Em seguida, aparecem Amapá (161,8 mil) e Roraima (161,9 mil).

O estado de São Paulo é o que apresenta o maior número de mortes pela doença (171.072), seguido pelo Rio de Janeiro (74.183) e por Minas Gerais (62.197).

O Acre é o que registra o menor número de mortes (2.005), seguido por Amapá (2.141) e Roraima (2.153).

Vacinação

Até hoje, foram aplicadas 450,1 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, sendo 177,4 milhões com a primeira dose e 157,7 milhões com a segunda dose. A dose única foi aplicada em 4,9 milhões de pessoas e 95 milhões já receberam a dose de reforço.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Visualizar

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!!

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

novo cartaz apae2